Ora bolas!

Jogador de futebol que maltrata a bola não é novidade para ninguém. Que apanha dela, também não! Surpreendente nas notícias que chegam da África do Sul é a maneira rude como alguns craques que lá estão para comer a bola andam falando mal da parceira que vai rolar na Copa. Com fama de quem pega todas, Júlio César só faltou chamá-la de vagabunda em entrevista coletiva: "Parece dessas que você acha em supermercado!" - esculachou.

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2010 | 00h00

Se, como dizia Neném Prancha, "o goleiro deve dormir com a bola (se for casado, dorme com as duas)", Susana Werner pode ficar tranquila: seu marido está indo pra cama sozinho em Johannesburgo. Júlio César implicou, de cara, com a bola oficial do certame. "Coisa horrível!" Nisso, ele não está só: "Ela não te obedece!" - queixa-se o artilheiro Luís Fabiano. Palavra de "Fabuloso": "Essa bola tem vontade própria, ela é sobrenatural."

Armando Nogueira não previu nada disso quando escreveu "se Pelé não tivesse nascido homem, teria nascido bola". Não é, definitivamente, um bom momento para ser bola! O que estão pisando nela ultimamente é um exagero que pode trazer consequências desastrosas aos detratores. Vale lembrar a máxima de Muricy Ramalho: "A bola pune!"

A bola da vez

"O problema da bola da Adidas é que ela não é da Nike!"

WASHINGTON OLIVETTO, PUBLICITÁRIO

Mal comparando

"Meu carro é muito pior que esta porcaria de bola!"

RUBINHO BARRICHELLO, PILOTO

Cavalheiro

Felipe Melo comparou a bola da Copa a uma jovem "patricinha". Como assim? "Ela não quer ser chutada de jeito nenhum!" Resta ao volante da seleção bater nos adversários.

Jabulani é a...

O repentino descontrole da bola pode ter origem no apelido que ela ganhou na fábrica da Adidas. Jabulani - "celebrar", no dialeto zulu -, cá pra nós, é dose.

Implicância mútua

Júlio também achou a bola da Copa "muito ruim"! Precisa ver, no caso, o que a bola acha dele. Faz tempo que os dois não se dão!

Obrigação contratual

Kaká tem um motivo a mais para não fazer feio nesta Copa: já basta a seu patrocinador de chuteiras, a Adidas, o desgosto que vem amargando com as críticas à bola que fabrica para a Fifa.

Ele já sabia

De João Cabral de Melo Neto, que muito antes de Júlio César, Luís Fabiano, Felipe Melo e Júlio Baptista percebeu algo de estranho no comportamento da bola de futebol: "É um utensílio semivivo, de reações próprias como bicho, e que, como bicho, é mister (mais que bicho, como mulher) usar com malícia e atenção, dando aos pés astúcias de mão."

Última instância

William Bonner está que não se aguenta de curiosidade: "O que será que a Fátima Bernardes vai achar da bola quando chegar à África do Sul?"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.