Oposição protocola pedido de CPI das enchentes na capital

Redução expressiva nos gastos com limpeza da calha do Tietê e do Pinheiros estão na mira do grupo

Maíra Teixeira, do estadao.com.br,

03 Fevereiro 2010 | 19h38

A bancada do PT (Partido dos Trabalhadores) na Câmara de Vereadores de São Paulo protocolou nesta tarde de quarta-feira, 3, um pedido CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar as causas das enchentes que atingem a capital desde o mês de dezembro. Segundo a assessoria de imprensa da liderança do partido - de oposição ao prefeito Gilberto Kassab, do Democratas (DEM) -, um segundo pedido de CPI será protocolado amanhã.

 

Veja também:

linkChuva forte volta a deixar pontos de São Paulo alagados

linkCaixa vai suspender cobrança moradores do Jardim Romano

blog Blog do Trânsito: Acompanhe situação das ruas e estradas

blog Blog da Garoa: Vida nos diferentes 'jardins' da cidade

 

O pedido protocolado hoje pede investigação sobre o assoreamento do Rio Tietê, que vem provocando inundações e prejuízos à população de vários bairros do município nas imediações do rio. A justificativa da liderança é de que mesmo com os grandes investimentos feitos para evitar essas enchentes, a redução expressiva nos gastos com a limpeza da calha do Tietê e também do Rio Pinheiros precisa ser questionada.

 

O segundo pedido de CPI, que deve ser protocolado apenas amanhã, é para averiguar a responsabilidade do poder público nos serviços de manutenção da cidade relativos à limpeza urbana de galerias e bueiros. Além disso, a oposição questiona o baixo investimento da atual administração nas ações de prevenção às enchentes no município.

 

Os pedidos de CPIs são assinados, respectivamente, pelos vereadores José Ferreira e Antônio Donato, ambos do PT. A partir da sua instalação, as comissões serão compostas por sete membros, cada uma, e terão 120 dias para investigar os fatos denunciados. Os prazos podem ser prorrogados.

Mais conteúdo sobre:
Chuvas em SP CPI das chuvas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.