Operadora alerta para ''golpe do cartão''

Criminoso liga para cliente e diz ser do setor de segurança da empresa; depois, afirma que usuário receberá crédito e pede seus dados

, O Estado de S.Paulo

04 Março 2011 | 00h00

Clientes das operadoras de cartões de crédito têm recebido ligações de bandidos se passando por funcionários. Eles alegam que os cartões foram clonados e procuram obter dados dos clientes. Em janeiro, uma operadora chegou a lançar o site www.dicasdesegurancavisa.com.br, tentando alertar sobre os golpes.

Normalmente, trata-se de uma chamada na qual o bandido se passa por um funcionário do Departamento de Segurança de bancos ou operadoras de cartão. Informa nome falso e até um número funcional qualquer. Em seguida, pergunta se o cliente comprou algo recentemente - em geral, é um produto incomum, para que a resposta seja "não".

A ligação continua com o bandido afirmando que "provavelmente" o cartão foi clonado. Nesse caso, o telefonema serviria para confirmar o problema e dar ao cliente um crédito para compensá-lo dos problemas sofrido.

Liberação de crédito. A chave do golpe é o fornecimento de dados por parte do usuário para conseguir a liberação desse suposto crédito. Além do número do cartão, ele acaba falando ainda os três ou quatro números que são a chave de segurança para compras pela internet. O cartão é usado logo em seguida, para evitar que seu dono perceba a farsa e a denuncie.

De acordo com Edson Ortega, diretor de Risco da Visa do Brasil, os clientes recebem ligações dos bancos que oferecem o cartão Visa, questionando se realmente fizeram determinadas transações, mas nunca é pedido nenhum dado do cartão. Portanto, esse tipo de informação nunca deveria ser passada ao receber um telefonema. "Temos variações desse golpe. Histórias cada vez mais elaboradas onde os fraudadores tentam chegar mais próximos de situações do dia a dia dos clientes para, no fim, pedir informações do cartão. Estão ficando cada vez mais criativos", observa.

Outra variação que se tornou comum é o uso de informações disponíveis em mídias sociais, como é o caso do Orkut. Nesse caso, os fraudadores se aproveitam de informações da vida pessoal das vítimas, como quando a pessoa afirma que acabou de comprar um carro. Ele encontra o telefone disponível em listas e diz à vítima que precisa confirmar dados.

Denúncia. A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo afirma que usuários que acharem que estão sendo vítimas de estelionato devem sempre procurar a polícia. Isso pode ser feito tanto pelo 190 da Polícia Militar quanto pelo 181 do Disque Denúncia da Polícia Civil ou comparecendo a uma delegacia.

PRESTE ATENÇÃO...

1. Dados. As operadoras de cartões de crédito não pedem por telefone ou e-mail os dados dos clientes.

2. Cuidado. Dados só devem ser informados em ligações iniciadas pelo cliente para número sabidamente seguro.

3. Informações. Solicite sempre detalhes. Se o autor não souber, desconfie.

4. Tecnologia. Em vez de pedir um número de protocolo, pesquise a empresa que teria feito a chamada. Ligue para o número disponível no site da central de atendimento ou então para o número que consta na parte de trás do cartão.

5. Online. Para evitar ser vítima de fraudes pela internet, mantenha um antivírus atualizado e ignore e-mails de remetentes desconhecidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.