Operação urbana Faria Lima deve ser ampliada

Avenida Santo Amaro poderá ser beneficiada com uso de recursos para requalificação urbana; Prefeitura vai enviar projeto à Câmara em agosto

Felipe Neves, Rafael Italiani e Paulo Saldaña , O Estado de S. Paulo

18 Julho 2014 | 12h07

Atualizada às 21h17

SÃO PAULO - A Prefeitura de São Paulo quer mudar a Operação Urbana Faria Lima, na zona sul, para requalificar a Avenida Santo Amaro entre as Avenidas Juscelino Kubitschek e Bandeirantes. Estão previstas obras como um túnel sob a Avenida Hélio Pelegrino e o aterramento de fios.

O prefeito Fernando Haddad (PT) disse nesta sexta-feira, 18, que, em agosto, vai enviar para Câmara Municipal um projeto para incluir a Santo Amaro na área de abrangência da Operação Urbana. 

“Não só pela segurança, mas por questões estéticas. É uma avenida muito precária”, disse Haddad ao ser questionado sobre um fio de alta tensão que caiu, matou uma pessoa e feriu outra na quinta-feira na zona leste. Fio também caiu ontem na Avenida Nícolas Boer, zona oeste.

Responsável pelos fios, a AES Eletropaulo informou que 3 mil km já estão no subterrâneo. “Não depende só da AES (o aterramento). É preciso que o poder público e a agência reguladora se envolvam”, disse, em nota. 

Haddad afirmou que há quase R$ 500 milhões de recursos. A operação é um instrumento de revitalização urbanística que tem dispositivos de arrecadação, a partir da autorização para construções, cuja verba só pode ser usada na área.

Professora da Universidade de São Paulo (USP), a urbanista Ermínia Maricato diz que os aterramentos não são as prioridades, mas usar o dinheiro é uma boa ideia. “A lei manda que se faça lá. Mas, se for possível fazer em uma área maior, melhor ainda.”

Para o professor de Engenharia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC) John Paul Henpel Lima, a fiação aterrada evita acidentes. “O sistema, de fato, é caro. Mas falta vontade política para implementá-lo.” 

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Avenida Santo Amaro Itaim Bibi

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.