Polícia Civil
Polícia Civil

Operação prende dez PMs acusados de receber propina de traficantes em Sorocaba

Os mandados de prisão preventiva tiveram como alvos seis cabos e quatro soldados da ativa

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2020 | 22h56

SOROCABA – Uma operação do comando da Polícia Militar do Estado de São Paulo cumpriu mandados de prisão contra dez policiais militares acusados de receber propina para acobertar traficantes de drogas, nesta quarta-feira (9), em Sorocaba, interior de São Paulo. Os mandados de prisão preventiva tiveram como alvos seis cabos e quatro soldados da ativa, lotados no 7º Batalhão da PM na cidade. Além de dinheiro, eles exigiam carros, celulares, armas e drogas dos traficantes em troca de não prendê-los.

A operação foi acompanhada pela corregedoria da PM e teve apoio da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) da Polícia Civil. Ainda de manhã, seis dos presos já haviam sido transferidos para um presídio militar da capital. A força-tarefa cumpria ainda 17 mandados de busca e apreensão em residências dos policiais e de três suspeitos civis que também estão no foco das investigações.

De acordo com o juiz Ronaldo João Roth, que expediu os mandados, os suspeitos “localizavam os infratores para apropriar-se de valores, armas, drogas e veículos, além de exigir dos mesmos vantagens indevidas, em troca de não realizar suas prisões e favorecer e facilitar suas ações criminosas”. Ainda segundo o  magistrado, os envolvidos utilizavam os sistemas inteligentes da própria polícia e informações internas confidenciais do banco de dados da segurança pública para facilitar as ações dos criminosos e alertá-los sobre operações da polícia.

Interceptações telefônicas com autorização judicial revelaram que os PMs consultavam documentos e ocorrências para localizar os traficantes e utilizavam viaturas para fazer a abordagem e praticar o achaque, que incluía tomar armas e drogas dos suspeitos. Os civis investigados são suspeitos de colaborar com os policiais fazendo a negociação de drogas e armas tomados dos traficantes. Os suspeitos devem responder por tráfico de drogas, prevaricação, associação criminosa e concussão – servidor público exigir vantagem indevida.

A operação é um desdobramento da prisão de dois homens, em 2018, pela Polícia Civil, suspeitos de se passarem por policiais militares. Com eles, foram apreendidos uniformes originais da PM, coletes à prova de bala, jaquetas, casacos, algemas e distintivos, além de acessórios com a identificação da Rota, a tropa de elite da Polícia Militar. A investigação revelou que os homens faziam parte do esquema dos policiais e se trajavam de policiais para abordar os traficantes.

O corregedor da PM, coronel José do Carmo Garcia, confirmou o cumprimento dos mandados judiciais contra os integrantes da corporação e informou que a operação teve origem em inquérito policial militar aberto para apurar as denúncias.  “Condutas como essa são dissonantes dos valores institucionais e demandam  medidas enérgicas para diferenciá-los da esmagadora maioria de policiais militares que cumprem seu dever”, disse, em nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.