Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Operação na Cracolândia foi 'muito bem-sucedida', diz GCM

Ação para retirada de 'favelinha' terminou com dois moradores de rua feridos e conflito entre usuários e agentes de segurança

Felipe Resk e Gustavo Lopes, O Estado de S. Paulo

30 Abril 2015 | 12h04

SÃO PAULO - O comandante-geral da Guarda Civil Metropolitana (GCM), o inspetor Gilson Menezes, afirmou na manhã desta quinta-feira, 30, que a operação na Cracolândia, na região central de São Paulo, foi "muito bem-sucedida". A ação desta quarta-feira, 29, para retirada da "favelinha" na Alameda Cleveland, terminou com dois moradores de rua feridos e conflito entre usuários de droga e agentes de segurança.

"A ação de ontem (quarta-feira) foi de reorganização do espaço público e foi muito bem-sucedida,  porque, afinal de contas, visava à retirada das barracas que eram usadas como esconderijos de drogas", afirmou o inspetor Gilson Menezes, em entrevista ao Estado. "Estamos agora tentando evitar a permanência na via porque atrapalha o leito carroçável."

"Ontem não deu para trabalhar", afirmou um comerciante que tem uma loja de televisões usados na Alameda Dino Bueno. A operação de desmonte das barracas e limpeza da área começou de manhã e deveria ocorrer sem confrontos, mas acabou marcada por dois momentos violentos.

Para tentar impedir que novas barracas sejam armadas na região, a GCM dobrou o efetivo permanente na Cracolândia, que deve passar a contar com 250 homens diariamente. 

Na manhã seguinte à confusão, dezenas de guardas civis estavam a postos nas ruas que circundam o "fluxo", como é chamado o ponto de venda e consumo de drogas, onde os moradores ficam concentrados.

Sem barracas nas ruas, usuários de droga passaram a se reunir na Alameda Dino Bueno,  entre a Rua Helvétia e a Alameda Glete. No "fluxo", ainda era possível ver carrinhos de supermercado, usados pelos moradores e que também são vistos com maus olhos pelo policiamento.

Na quarta-feira, foram retirados 21 caminhões carregados de barracas,  carrinhos, pedaços de madeira e entulhos. Nesta quinta-feira, outros dois caminhões foram retirados.

Mais conteúdo sobre:
Cracolândia São Paulo GCM Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.