Operação flagra 1.826 carros irregulares e gera caos no trânsito

Os 212 pontos de blitzes colocados no Estado de SP pelas polícias militar e civil causaram congestionamento

Alexssander Soares, do Estadão,

22 de novembro de 2007 | 21h02

A Operação de Olho na Placa, da Secretaria da Fazenda, identificou nesta quinta-feira 1.826 carros com placas irregulares em São Paulo e provocou um caos no trânsito da cidade, devido aos 212 pontos de blitzes colocados no Estado de São Paulo pelas polícias militar e civil. Desde o início da tarde a lentidão superou os nível do horário e quase chegou aos 200 quilômetros de congestionamento na capital paulista.Em toda a operação, foram fiscalizados 23.369 veículos, dos quais 1.826 tinham Certificados de Registro Licenciamento de Veículos (CRLV) de outros Estados e tinham endereços de domicílio "comprovadamente" falsos.Outros 6.588 veículos tinham o certificado de outros Estados, mas a falsificação de endereço não foi comprovada e foi realizada apenas uma verificação do certificado. Os motoristas foram encaminhados para delegacias e foram feitos boletins de ocorrência e recolhimentos do documento para apuração dos crimes. Um inquérito policial será instalado para apurar se existe crimes como falsidade ideológica e contra a ordem tributária.De acordo com as secretarias de Segurança Pública e da Fazenda, a operação tem como objetivo identificar os veículos com CRLV emitido com base em declaração falsa de domicílio e verificar a regularidade do licenciamento dos veículos. Segundo a Secretaria da Fazenda, a fraude na declaração de domicílio já causou um rombo de R$ 500 milhões nos últimos cinco anos nos cofres do Tesouro com a perda de arrecadação Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).A Secretaria da Fazenda fez um alerta para os motoristas: os bloqueios de maneira regionalizada passam a ser rotina em todo o Estado de São Paulo. A blitz teve a participação de 1.100 agentes fiscais de rendas da Secretaria da Fazenda, 4.000 policiais militares e 500 agentes da Polícia Civil. Locadoras O governo paulista continua monitorando 326 locadoras de veículos cuja frota circula no Estado, mas que mantêm endereços fictícios no Paraná e em Tocantins. "Esses veículos devem ser registrados aqui, mesmo que as empresas tenham situação fiscal e cadastral regularizada, com filial em outro Estado", disse o secretário da Fazenda.  O presidente do Sindicato das Locadoras de Automóveis do Estado (Sindloc), Paulo Gaba Junior, disse que a Constituição Federal prevê que o veículo de uma locadora registrado em um Estado possa circular livremente nos demais. "São Paulo nos acusa de falsidade ideológica, mas a maioria das empresas está devidamente estabelecida nas suas filiais. Essas blitze são uma arbitrariedade." Segundo ele, há 500 locadoras no Estado, que representam uma frota de cerca de cem mil veículos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.