Ópera, jogo e agora show no escurinho das salas de cinema

Hoje é dia de apresentação ao vivo da banda Los Hermanos em 42 locais de 23 cidades; tecnologia 3D 'popularizou' sessões

ADRIANA FERRAZ, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2012 | 03h10

Ingresso comprado, luz apagada e, na telona, jogos de futebol, partidas de tênis, lutas do UFC, espetáculos de ópera e shows de rock. Tudo ao vivo, com sinal digital via satélite, no conforto do cinema. A programação alternativa é tendência no circuito brasileiro, que estreia hoje transmissão de conteúdo nacional, com a apresentação da banda Los Hermanos em 42 salas espalhadas por 23 cidades. O show será transmitido do Espaço das Américas, em São Paulo, a partir das 22 horas.

Na sessão alternativa, o público, os serviços e o preço do ingresso também são diferenciados. Dependendo da sala, é possível tomar cerveja assistindo a uma partida de futebol. Ou ficar de pé durante todo o show de rock sem ser incomodado pelo "vizinho de poltrona". As vantagens têm seu preço. Para assistir à apresentação dos Los Hermanos no escurinho do cinema, será preciso desembolsar R$ 60.

O empresário da banda, Simon Fuller, diz que a ideia de transmitir o show para salas de cinema surgiu para contemplar as pessoas que ficaram sem ingresso ao longo da turnê e também para livrá-las dos cambistas. "Ainda não sabemos qual público vamos atingir, mas a expectativa é de que as salas estejam lotadas por fãs mesmo", afirma.

O projeto é comandado pela CineLive, braço da produtora CasaBlanca Online. Para viabilizá-lo, a empresa precisa equipar as salas de cinema com antenas e projetores digitais apropriados para receber o sinal do satélite. As transmissões, antes realizadas apenas para convidados, em eventos fechados, tornaram-se populares com o advento da tecnologia 3D.

"Depois de veicularmos os jogos da Copa de 2010, vieram as peças de ópera, os musicais e, agora, o primeiro show brasileiro", diz Laudson Diniz, gerente executivo da CineLive. A final da Liga dos Campeões da Europa teve quase 100% de ocupação e foi promovida em parceria com a Rádio Estadão/ESPN. "Quem vai tem a sensação de estar dentro de um estádio. O som e a imagem em 3D proporcionam isso."

Para a diretora de Marketing da Rede Cinemark, Bettina Boklis, esse tipo de transmissão só tende a crescer no Brasil. "É uma alternativa para os artistas. É claro que esse tipo de programação não vai substituir os filmes, mas, com o tempo, pode ser que os cinemas reservem uma sala apenas para projetos como esse. Nos Estados Unidos, alguns complexos de salas já fazem isso", diz Bettina.

Festas. Aos poucos, algumas redes investem também no aluguel de salas para eventos corporativos, como palestras, treinamentos e até festas. De acordo com a necessidade e o perfil do cliente, a UCI, por exemplo, oferece produtos específicos de bonbonnière, como combos com pipoca e refrigerantes, ou kits para coffee break, com pão de queijo, café, leite e sucos.

No caso das apresentações de ópera, os espectadores têm ainda um "extra": debates com profissionais do setor antes e durante a sessão. "São especialistas, como maestros, que ajudam na compreensão do espetáculo", explica Bettina.

Com exceção dos eventos corporativos, qualquer um pode participar. Os ingressos podem ser comprados pela internet. A lista das salas disponíveis é publicada no site da CineLive (www.cinelive.com.br). De acordo com o cinema, é possível escolher o lugar com antecedência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.