Onze pessoas são indiciadas por morte de adolescente no Hopi Hari

Nomes dos indiciados por homicídio culposo ainda não foram divulgados; pais da menina, que estão no Japão, elogiaram indiciamento

estadão.com.br

17 Abril 2012 | 12h51

Onze pessoas foram indiciadas por homicídio culposo no inquérito da Polícia Civil que investigou a morte da adolescente Gabriela Yukay Nychymura, de 14 anos. Gabriela caiu, no dia 24 de fevereiro, da La Tour Eiffel, um brinquedo do parque de diversões Hopi Hari, em Vinhedo.

Os nomes dos indiciados ainda não foram divulgados.

Agradecimento. Os pais de Gabriela, que moram no Japão, divulgaram nota elogiando o trabalho da polícia no caso.

"O indiciamento destas pessoas não irá fazer com que esqueçamos o pesadelo que estamos vivenciando, mas a justiça irá demonstrar que os responsáveis não ficarão impunes e suas consciências carregarão para a eternidade a responsabilidade pela morte de nossa filha", afirmaram. O texto foi divulgado pela Associação dos Advogados Criminalistas do Estado de São Paulo.

Tragédia. Gabriella caiu da atração La Tour Eiffel. A cadeira usada por ela estava com a trava desativada, o que a fez despencar de aproximadamente 20 metros.

Os cinco funcionários do Hopi Hari que trabalhavam no brinquedo quando houve o acidente admitiram à polícia saber da trava desativada e disseram ter alertado os superiores. Mas entraram em contradição ao relatar o que cada um fazia na hora da tragédia e a quem caberia supervisionar a entrada. O vice-presidente do parque, Claudio Guimarães, afirmou que um conjunto de falhas causou a tragédia.

Um laudo do Instituto de Criminalística (IC) de Campinas entregue em 13 de abril à Polícia Civil e ao Ministério Público de Vinhedo apontou falha humana no acidente no parque de diversões Hopi Hari que matou a adolescente

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.