Onze anos de espera

Há 11 anos peço a retirada de uma árvore que está na calçada de meu imóvel. Primeiro a nossa principal queixa era por conta das raízes que destroem a calçada, a garagem e até mesmo a parte de dentro da casa. Agora, para piorar, a árvore está com cupins. Já perdemos móveis e muito dinheiro os combatendo. A árvore está condenada e a Prefeitura faz pouco-caso. E se ela cair? Essa é a nossa maior preocupação, pois meus pais dormem no quarto que fica na parte da frente da casa.

, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2010 | 00h00

ROSELI GONÇALVES / SÃO PAULO

A AES Eletropaulo informa que, no dia 16/6, verificou que a árvore mencionada não interfere na rede de energia elétrica. Na ocasião, a cliente foi informada de que a concessionária apenas poda os galhos de árvores que interferem na rede e o serviço é realizado após autorização da Prefeitura.

A Subprefeitura Lapa informa que no local já foram feitas vistorias por engenheiros agrônomos e, segundo os laudos técnicos, foi constatado que não há necessidade de remoção da árvore. Ela está recebendo tratamento para exterminar os cupins e a última vistoria foi realizada em 29/6. Nos próximos dias serão realizadas a poda e abertura da área em volta do caule, conforme publicação e autorização no Diário Oficial da cidade.

A leitora comenta: Na semana passada, entraram em contato para dizer que iriam me informar sobre a data da vistoria. Há sempre alguém em casa e nunca vimos ninguém fazendo a referida inspeção. Se quiserem podem fazer uma vistoria dentro de casa e ver o estrago que essa árvore tem feito.

PROJETO ONDA LIMPA

Exclui o Vale do Ribeira

No dia 13/2 recebi um informe publicitário da Sabesp sobre o "Projeto Onda Limpa", com o mapa do litoral do Estado. Mas nesse informe não constavam as cidades de Iguape, Ilha Comprida e Cananeia. Enviei dois e-mails para www.programaondalimpa.com.br perguntando se essas cidades não fazem mais parte do Estado de São Paulo e até o momento não obtive nenhuma resposta.

MARCIA FRANCO / SÃO PAULO

A Sabesp esclarece que as cidades de Iguape, Cananeia e Ilha Comprida não estão inseridas no Projeto Onda Limpa, pois fazem parte do Vale do Ribeira, área não contemplada pelo programa. Diz que o Onda Limpa tem como objetivo aumentar os índices de coleta e tratamento de esgoto na Baixada Santista e no litoral norte.

A leitora comenta: Gostaria de saber por que o Vale do Ribeira não faz parte dessa programação e por que o folheto não especifica a área de atuação, sendo citado apenas o "litoral de São Paulo".

PROBLEMA RECORRENTE

Ônibus lotado e atrasado

O serviço de ônibus em São Paulo está em péssimas mãos. No dia 16/6, às 13h05, cheguei ao ponto de ônibus Capitão Antônio Rosa, sentido bairro, no corredor da Avenida Rebouças. Desejava pegar o ônibus 702U-10, Butantã-USP, que uso diariamente. Mas ele somente chegou às 13h55 e, para piorar, o motorista não parou no ponto, pois o coletivo estava lotado. Para não chegar muito atrasado na aula, tive de pegar um táxi e gastar R$ 14. Os ônibus dessa linha sempre chegam lotados e passam em intervalos muito maiores daqueles exigidos pela Prefeitura. Costumam passar a cada 20 minutos em horário de pico e a cada 25 nos demais horários, quando deveriam passar a cada 10 e 15 minutos, respectivamente. A questão é: a SPTrans, com seus astronômicos subsídios recebidos da Prefeitura, por acaso vai me ressarcir? Para que pagamos o absurdo valor de R$ 2,70 (no meu caso R$ 1,35), se o serviço é péssimo e não adaptado, por exemplo, aos portadores de necessidades especiais?

DANTE RAGLIONE / SÃO PAULO

A SPTrans informa que a linha 702U-10 Butantã USP-Terminal Parque D. Pedro II vem sendo fiscalizada nos últimos meses para que sejam garantidos o atendimento e o cumprimento dos horários. De acordo com o acompanhamento realizado pela empresa, no dia citado pelo leitor, 16/6, foram constatados descumprimentos de partida, motivo pelo qual a operadora responsável foi autuada e multada. Esclarece que são realizadas reuniões mensais com as empresas que operam o sistema de transporte público para minimizar atrasos. Informa que, por causa dessa queixa, a fiscalização da linha citada será intensificada para garantir o cumprimento da programação determinada para esse itinerário. A linha 702U-10 Butantã USP-Terminal Parque D. Pedro II está programada para operar com uma frota de 19 veículos, num intervalo médio de 10 minutos no pico da manhã e de 12 minutos no pico da tarde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.