DENNY CESARE/CODIGO 19
DENNY CESARE/CODIGO 19

ONU Mulheres vê caso de machismo e misoginia em chacina de Campinas

Doze pessoas foram mortas - nove delas mulheres - na noite de réveillon; entidade das Nações Unidas pede que investigadores incorporem perspectiva de gênero

Júlia Marques, O Estado de S. Paulo

13 Janeiro 2017 | 17h01

SÃO PAULO - Em uma nota pública divulgada nesta semana, a ONU Mulheres, entidade das Nações Unidas para igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres, classificou como um caso de machismo a chacina que deixou 12 pessoas mortas em Campinas - 9 delas mulheres. 

"Não é possível considerar as violências de gênero, como a sofrida pelas mulheres em Campinas, como casos isolados ou frutos de uma vingança pessoal. Ao contrário, tratam-se de casos de machismo e misoginia, que expressam a cultura de violência a qual todas as mulheres estão submetidas diariamente no Brasil", diz o texto.

Na nota, a entidade manifesta repúdio aos assassinatos e diz que é "inadmissível" que as mulheres continuem a ser assassinadas e que "os crimes de ódios às mulheres sejam disseminados, vilipendiando a memória das vítimas com pretensos elementos de justificativa e de banalização dos assassinatos."

A ONU Mulheres apela ainda para que investigadores incorporem a perspectiva de gênero nos processos e apliquem a Lei do Feminicídio (Lei nº 13.104/2015). "Por fim, a ONU Mulheres conclama as autoridades públicas de todo o país para investimentos concretos e transparentes em políticas públicas para as mulheres." 

A chacina. O técnico de laboratório Sidnei Ramis de Araújo, de 46 anos, matou o filho, a ex- mulher e mais 10 pessoas que comemoravam o Revéillon na casa de uma das vítimas, em Campinas, no interior do Estado. Depois de atirar nos convidados, Araújo se matou. O crime, segundo a polícia, ocorreu porque ele não aceitou perder a guarda do filho.

Ramis deixou cartas e áudios gravados tentando justificar as mortes. No material, obtido com exclusividade pelo Estado, ele afirma que as acusações de que teria abusado do menino são mentira, diz que foi vítima de uma injustiça e de uma “sacanagem” e que não conseguia mais “suportar tudo isso.”

Para se referir à ex-mulher, Isamara Filier, à mãe dela e a outras mulheres da família dela, ele só usa uma palavra, o tempo todo: “vadia”. E revela os planos de matá-las. “Quanto mais ela distanciar ele de mim, mais ódio eu fico dela e menos peso na minha consciência eu vou ter”, diz em um dos áudios, endereçado “aos policiais”, modificado pela última vez no dia 30.

 

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Campinas Brasil Araújo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.