JB Neto/AE
JB Neto/AE

Ônibus seguem parados na zona leste mesmo após anúncio de acordo

Pelo acordo, funcionários da Viação Himalaia voltariam ao trabalho às 14h30; negociação continua

Solange Spigliatti, Central de Notícias

01 Fevereiro 2011 | 16h59

SÃO PAULO - Os motoristas e cobradores da Viação Himalaia, que atende linhas na zona leste de São Paulo, continuavam paralisados por volta das 16h30 desta terça-feira, 1, mesmo após um acordo feito durante reunião no começo da tarde entre funcionários e representantes da empresa e do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo (Spurbanuss).

 

Pelo acordo, ficou decidido que não haverá alteração nos contratos de trabalhos dos empregados da Viação Himalaia e que os motoristas e cobradores voltariam ao trabalho a partir das 14h30, segundo o Spurbanuss.

 

De acordo com o Sindicato dos e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo (Sindmotoristas-SP), os funcionários que estavam na garagem da empresa não aceitaram o acordo e resolveram permanecer em greve. Uma assembleia estava sendo feita em frente à viação para decidir o rumo da paralisação.

 

Os quase 800 motoristas e cobradores, funcionários da área administrativa e manutenção da empresa paralisaram suas atividades durante a madrugada, por falta de pagamento de direitos trabalhistas, e a frota de mais de 300 veículos ficou parada na garagem, em Sapopemba, zona leste.

 

Por isso, a São Paulo Transportes (SPTrans) colocou em prática o Plano de Atendimento Entre Empresas em Situação de Emergência (Paese) para atender as principais linhas atendidas pelas empresa.

 

Segundo a SPTrans, 65 veículos operam nas oito linhas que tem maior fluxo de passageiros e continuariam até que a operação da companhia voltasse ao normal.

Mais conteúdo sobre:
greve ônibus

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.