Ônibus são queimados em protesto contra morte de estudante

William Alves Barbosa, de 25 anos, foi assassinado a tiros quando conversava com amigos no Morro da Cotia

Clarissa Thomé,

31 de julho de 2007 | 23h58

Moradores do Morro da Cotia, na zona norte do Rio de Janeiro, depredaram e incendiaram dois ônibus em protesto contra a morte de um estudante de direito, na noite desta terça-feira. Houve vazamento de óleo diesel e o fogo se alastrou, atingindo quatro carros que estavam estacionados. A Estrada Grajaú-Jacarepaguá ficou fechada por cerca de 4 horas nos dois sentidos. Segundo parentes, William Alves Barbosa, de 25 anos, conversava com amigos numa quadra de futebol no Morro da Cotia, quando quatro homens chegaram num Peugeot preto, sem placa, e dispararam contra o rapaz. Barbosa foi atingido na barriga e morreu no local. Moradores acusam policiais de terem feito os disparos. Segundo a família, Barbosa era estudante da Universidade Estácio de Sá e fazia estágio num escritório de advocacia no Centro da cidade. "Não temos informações sobre passagens do jovem pela polícia. Pelo que soubemos, ele é trabalhador. Mas também não temos nada que indique o envolvimento de policiais. O episódio tem características de execução", afirmou o comandante do 6.º Batalhão (Tijuca), tenente-coronel Roberto Alves de Lima. Lima estava no local acompanhando o trabalho de 50 policiais que foram deslocados para a área a fim de evitar novos protestos de moradores. Até as 23h30 os veículos não haviam sido rebocados e o trânsito continuava interditado nas duas pistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.