Pedro da Rocha/AE
Pedro da Rocha/AE

Ônibus é incendiado na zona sul de SP; onda de violência atinge a região

Moradores afirmam que atearam fogo em protesto por toque de recolher imposto pela PM e por morte de rapaz ocorrida na última terça-feira

Pedro da Rocha, do estadão.com.br,

29 de junho de 2012 | 07h08

atualizado às 12h25

SÃO PAULO - Um ônibus foi incendiado na rua Abílio César, no Capão Redondo, zona sul de São Paulo, na noite desta quinta-feira, 28, por dois homens que mandaram os passageiros descerem e atearam fogo com gasolina.

Moradores da região disseram que o ônibus foi queimado pela população em protesto por um suposto toque de recolher feito por Policiais Militares (PM) e pelo assassinato de um jovem, ocorrido na última terça-feira, 26.  Eles afirmaram que o número de homicídios no bairro aumentou nas últimas semanas. Em nota, a PM nega o toque de recolher. "Não há, até o momento, nenhum indício que indique que está ocorrendo toque de recolher no bairro", afirma a nota.

Um funcionário do Hospital Municipal M'Boi Mirim, que atende a região, relatou que nas últimas duas semanas a quantidade de vítimas atendidas com ferimentos por armas de fogo disparou. De acordo com ele, seis pessoas feridas a bala foram atendidas em uma única noite.

Moradores disseram que PMs impuseram, com ameaças de morte, o toque de recolher às 20h, com o fechamento do comércio e mandando que as pessoas não circulassem na rua de noite. A população residente no Parque Bristol, na zona sul da capital paulista, relataram a mesma situação, com toque de recolher feito por viaturas da Força Tática da PM. Com este ônibus, já foram incendiados 11 coletivos desde a última semana.

A PM está em estado de alerta geral no Estado de São Paulo em razão da execução de policiais e ataques a bases da PM. Em 12 dias, seis policiais militares morreram em horário de folga. Já são 40 PMs mortos neste ano. Em 2011, foram assassinados 47, sete em serviço.

Ataque. De acordo com o motorista do ônibus intermunicipal queimado, da Viação Miracatiba, dois rapazes subiram no coletivo quando este parou em um ponto. Eles obrigaram o motorista, cobrador e os cerca de 40 passageiros a descerem do veículo. Em seguida jogaram gasolina no ônibus e atearam fogo. O motorista afirma ainda que os incendiários disseram que agiam em protesto, mas não disseram contra o que.

 O caso foi registrado no 47º Distrito Policial (DP).

Cangaíba. Outra tentativa de ataque a ônibus ocorrido em Cangaíba, na região da Penha, zona leste de São Paulo, terminou frustrada na noite de quinta-feira, 28. Dez pessoas pararam o coletivo e mandaram os passageiros descerem. Os bandidos então jogaram um coquetel molotov, que não queimou. A PM chegou e o grupo fugiu. Ninguém foi preso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.