Ônibus é incendiado em represália à morte de jovem na zona leste de SP

Apenas o motorista e cobrador estavam no veículo, mas foram expulsos antes que desconhecidos colocassem fogo no automóvel

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

21 Maio 2011 | 01h09

SÃO PAULO - Um ônibus da empresa Via Sul, prefixo 53619, foi incendiado por criminosos, por volta das 21 horas desta sexta-feira, 20, na altura do nº 3.756 da Avenida Jacu-Pêssego, na região de Itaquera, na zona leste de São Paulo. O ataque ao veículo teria acontecido em represália à morte de um adolescente ocorrida após uma suposta troca de tiros com a Polícia Militar (PM).

 

O coletivo seguia para a garagem, apenas com o motorista e o cobrador dentro, quando foi cercado por vários desconhecidos, que entraram no veículo e obrigaram os dois operadores da empresa a descer. Após espalharem combustível no interior do ônibus, os criminosos atearam fogo. Ninguém ficou ferido. O caso foi registrado no 53º Distrito Policial, do Parque do Carmo.

 

Confronto. O suposto confronto entre o adolescente, de 17 anos, e policiais militares do 28º Batalhão, ocorreu no início da madrugada de sexta-feira, 20, no interior da Favela Caboré. Segundo relato dos policiais na delegacia do Parque do Carmo, o rapaz, acompanhado de outros cinco suspeitos, correu para o interior da favela após o grupo ser abordado na Rua Nova Esperança, próxima à favela.

 

Os policiais perseguiram então dois dos seis suspeitos, pois os demais correram em outra direção. Um deles, o adolescente, já dentro da favela, teria sacado uma arma e atirado, sendo baleado no revide. Mesmo levado ao Hospital Santa Marcelina, em Itaquera, o adolescente não resistiu aos ferimentos e morreu. Por se tratar de suposta resistência seguida de morte, o caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

 

Notícia atualizada à 1h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.