Ônibus é incendiado após morte de suspeito na zona sul

Segundo a polícia, grupo da comunidade Jardim Novo Pantanal, na região do Alvarenga, protestou contra a morte de morador suspeito de portar arma de fogo e resistir à prisão

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

06 de outubro de 2014 | 15h43

SÃO PAULO - Um ônibus municipal de Diadema, região do ABC, foi incendiado no início da tarde desta segunda-feira, 6, no bairro do Alvarenga, região do extremo sul de São Paulo e que faz divisa com a cidade vizinha. Segundo informações da Polícia Civil, o veículo foi atacado por moradores da comunidade Jardim Novo Pantanal revoltados com a morte de um morador. Segundo investigadores que trabalham na região, o suspeito portava uma arma de fogo, resistiu à prisão e foi morto após trocar tiros com a Polícia Militar. 

Segundo a PM, um grupo de moradores atacou o ônibus na Rua Professor Cardozo de Melo Neto. O veículo prestava serviço de transporte coletivo para a Prefeitura de Diadema. Ainda de acordo com a polícia, ninguém ficou ferido e até as 16h nenhum suspeito de ter ateado fogo no ônibus tinha sido preso. 

Mortos e feridos. Com o caso na região do Alvarenga sobe para seis a quantidade de suspeitos mortos em confrontos contra a Polícia Militar entre a última sexta-feira, 4, e o domingo, 5. Do total, três foram mortos por policiais das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota). Os PMs trocaram tiros com suspeitos armados no Jabaquara, também na zona sul. 

Já a Avenida 23 de Maio, um dos corredores mais importantes da cidade, foi palco de um tiroteio entre PMs e um grupo formado por cerca de 15 motociclistas. Três suspeitos foram baleados e feridos. Na região do Campo Limpo, na zona sul, uma viatura da Polícia Militar foi atacada por mais de 100 pessoas em motos na tarde de domingo. Ninguém ficou ferido e polícia utilizou o helicóptero Águia. 




Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.