Ônibus é depredado na zona norte após homem ser morto por PMs

Coletivo foi apedrejado por moradores da Brasilândia em protesto contra a ação da Força Tática na região

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2014 | 18h05

Um ônibus foi depredado na tarde desta segunda-feira, 6, por moradores da Brasilândia, na zona norte de São Paulo, em protesto contra a morte de um homem durante a madrugada pela Polícia Militar.

Segundo a SPTrans, o coletivo, que fazia a linha 8214/10 (Jardim Paulistano – Praça do Correio), teve os vidros apedrejados quando passava pela rua Leônidas Mormelo. Ninguém ficou ferido. Também não houve detidos.

O delegado Antônio Mestre Junior, titular da 8ª Delegacia Seccional, informou que o 44º DP (Guaianases) instaurou inquérito para investigar o caso e identificar os autores do crime.

Protesto-  De acordo com a  Polícia Militar, por volta de 14:30, cerca de 30 pessoas se reuniram na Rua Aurélio Brasil Ribeiro para promover uma manifestação. Além de apedrejar o ônibus, os manifestantes interditaram a rua com pneus e atearam fogo.

Sobre a morte de Emerson Diego da Silva, que teria motivado a manifestação, a PM informou, por meio de nota, que "trata-se de um roubo de motocicleta que resultou em acompanhamento por equipe da PM, confronto e morte em decorrência de intervenção policial". O veículo era ocupado por dois indivíduos que, diante do cerco policial, teriam "desembarcado atirando", de modo que os policiais "se defenderam". 

Com Silva foi apreendido um revólver Rossi, calibre 38, numeração ilegível, com três munições deflagradas e duas intactas. O outro criminoso fugiu. Ainda segundo a PM, a vítima do roubo reconheceu o criminoso morto como um dos autores do crime.

A ocorrência foi apresentada no 72º Distrito Policial e foi instaurado um Inquérito Policial Militar para averiguar as circunstâncias em que se deram os fatos.

 

 

 
Tudo o que sabemos sobre:
protestofogodepredado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.