Ônibus deixam de circular em Ribeirão Preto após novo ataque

Onda de protestos teve início depois da morte de acusado de assaltos; na manhã deste domingo, um caminhão foi incendiado

O Estado de S. Paulo

01 de junho de 2014 | 18h31

Na tarde deste domingo, 1º, os ônibus deixaram de circular em dois bairros de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, depois que um caminhão do Departamento de Água e Esgoto (Daerp) foi incendiado no Parque Ribeirão. Este foi o sexto veículo queimado em Ribeirão Preto neste fim de semana depois de uma onda de ataques que começou com a morte suspeito de assalto. 

Motorista e funcionários seguiam pela rua Floriano Leite Ribeiro quando foram rendidos por um homem armado que dirigiu o veículo até uma praça, onde colocou fogo e fugiu. A Polícia Militar disse acreditar na relação entre este ataque e intensificou o patrulhamento na região. 

O ataque ao caminhão do Daerp fez a direção da companhia de água e esgoto anunciar a suspensão dos serviços na região enquanto não houver condições de segurança. Muitos estabelecimentos também ficaram fechados nas últimas horas e o assunto deve ser pauta na visita do governador Geraldo Alckmin à cidade nesta segunda-feira, 2.

A violência dos ataques interrompeu o transporte coletivo em toda a cidade no sábado, sendo o serviço retomado com a segurança reforçada após um pedido da prefeitura à Polícia Militar. Durante a manhã deste domingo, policiais escoltaram dez linhas de ônibus.

Início. O tumulto começou com a morte de um homem suspeito de roubar uma farmácia e um carro na companhia de outro que foi preso na tarde de sábado, 31, no Jardim Branca Salles, zona oeste da cidade. O suposto assaltante que morreu teria apontado uma arma de brinquedo aos policiais, que atiraram.

No carro em que estavam havia uma gaveta da caixa registradora da farmácia com o dinheiro roubado. Logo após a morte, os protestos começaram e dois ônibus, um carro da TV Clube (retransmissora da TV Bandeirantes na região) e dois caminhões de um supermercado acabaram incendiados. Viaturas foram apedrejadas e a polícia revidou com bombas de gás e tiros com balas de borracha.

Alckmin. Na última sexta-feira, 30, o governador Geraldo Alckmin esteve na região, em Brodowski, e foi questionado sobre o aumento da violência em Ribeirão Preto. Ele alegou que vem investindo na cidade e citou a prisão de uma quadrilha que atacava caixas eletrônicos. 

Também falou que vai autorizar o aumento do número de policiais que poderão exercer a chamada atividade delegada, ou seja, trabalhar fora da hora de serviço ampliando o efetivo nas ruas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.