Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Ônibus cai de viaduto e é atingido por trem

Motorista do coletivo disse que perdeu controle ao desviar de carro na contramão

Felipe Frazão, Felipe Tau, Elvis Pereira e Caio Valle, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2011 | 00h00

Um ônibus intermunicipal perdeu o controle em um viaduto de São Caetano do Sul, no ABC paulista, às 9h40 de ontem, derrubou a mureta da via, caiu na linha férrea e, cinco minutos depois, foi arrastado por um trem da Linha 10-Turquesa da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Quinze pessoas ficaram feridas - a motorista e 14 passageiros do ônibus.

O veículo só foi removido cerca de três horas depois do acidente. A circulação de trens chegou a parar por uma hora. Seis das 15 vítimas continuavam internadas em hospitais do ABC até a noite de ontem. O estado mais grave era o de Lilian Souza Freitas, de 30 anos, motorista do ônibus. Ela sofreu uma contusão no tórax e traumatismo craniano leve, segundo a Secretaria de Estado da Saúde

No hospital, Lilian contou ao ex-marido Janduy de Souza Olivera, de 38 anos, que perdeu o controle do veículo ao tentar desviar de um carro na contramão. "Ela falou que foi tentar desviar, brecou, acabou derrapando e não conseguiu mais controlar o ônibus", disse. A perícia vai investigar as causas do acidente.

A batida arremessou o almoxarife Tiago de Paula, de 24 anos, do ônibus. "Ele me disse "pai, só ouvi um estrondo e vi a motorista tentando controlar o ônibus. Quando percebi, estava no meio da lama"", diz o autônomo Claudio de Paula, de 62 anos.

O ônibus da Interbus linha São Caetano do Sul-São Paulo seguia pela Rua Felipe Camarão, sentido da Avenida Goiás, quando perdeu o controle na entrada da curva que levava a um viaduto e caiu sobre a linha férrea. Segundo o tenente Alves Moura, do Corpo de Bombeiros de Santo André, o veículo ficou pendurado no viaduto antes de cair.

Avisos. Enquanto alguns passageiros saíam pelas janelas do ônibus, o trem se aproximava. Pedestres começaram a acenar para o maquinista. "Umas 30 pessoas ficaram no viaduto tentando, desesperadas, fazer o trem parar. O condutor conseguiu reduzir a velocidade e só encostou (no ônibus)", disse José Onias Barros, de 65 anos, dono de um bar a 50 metros do local onde aconteceu o acidente.

Segundo Francisco Pierrini, gerente de Operação da CPTM, o maquinista acionou os freios de emergência entre 150 e 200 metros de distância do ponto onde o coletivo caiu. "Ele começou a parar assim que teve contato visual com o ocorrido." A velocidade da composição, que seguia a 60 km/h, baixou para 10 km/h no momento em que atingiu o ônibus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.