ONGs pedem que se investigue grupo de extermínio

Grupos de direitos humanos cobraram ação do governo federal no Estado para ajudar a identificar os responsáveis pelas mortes de pessoas na periferia da cidade. Os movimentos se reuniram no Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe) ontem.

O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2012 | 02h06

"A Polícia Federal pode colaborar na investigação desses grupos de extermínio. Tem empresários patrocinando a ação desses grupos", disse Rildo de Oliveira.

Representante da Igreja Católica no evento, o bispo auxiliar d. Milton Kenan Junior afirmou que o governo federal deve fazer exigências antes de entrar em acordo com o Estado. "O governo federal não pode entrar nessa luta de maneira míope", disse. Ele também cobrou responsabilização do Estado por eventuais crimes cometidos por policiais.

Já o padre Valdir Silveira, da Pastoral Carcerária afirmou que há propostas equivocadas, entre elas, mandar os criminosos para o RDD. "O RDD foi criado como segurança máxima e foi sede da articulação dos atentados de 2006", disse.

Moradora do Jardim Ângela, Fabiana Ivo, da Rede de Educação Cidadã, disse que está ocorrendo extermínio de jovens da região. "Nos últimos oito dias, 49 jovens de 14 a 20 anos foram assassinados no Jardim Ângela, Jardim São Luiz e Campo Limpo", disse. O Condepe prepara uma série de exigências ao governo estadual, incluindo acesso à certidão de óbito e aos dados de mortos. / ARTUR RODRIGUES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.