FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

ONG faz ato na Paulista contra chacina que matou 19 em SP

Adolescente morreu nesta quinta, após ficar 14 dias internada; grupo cobra punição de responsáveis pelos ataques em Osasco e Barueri

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

28 de agosto de 2015 | 09h45

SÃO PAULO - No dia seguinte à confirmação da 19ª vítima da chacina de Osasco e Barueri, a ONG Rio de Paz faz um protesto em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, com 19 sacos plásticos pretos enfileirados no chão, simulando os corpos das vítimas. 

Na manhã desta sexta-feira, 28, o grupo voltou a se manifestar com lenços na boca e uma faixa, agora, com o número de mortos atualizado: "Quem matou 19?". O grupo já havia se manifestado na semana passada, cobrando a punição dos responsáveis e condenando a violência do crime.

Segundo os organizadores, o objetivo da manifestação é cobrar do Governo do Estado de São Paulo apoio aos parentes das vítimas e a elucidação da autoria da chacina. Os manifestantes chegaram por volta das 6h30 e permanecem no local até 11h. "Não podemos ficar calados quando policiais, moradores de periferia, jovens, negros, pardos, ricos, homens, mulheres, são barbaramente assassinados", disse por nota a ONG.

O ato foi motivado pela 19ª morte confirmada nesta quinta-feira. Letícia Hillebrand da Silva, de 15 anos, estava hospitalizada. Atingida na região da barriga, a menina ficou internada por 14 dias no Hospital Regional de Osasco, mas não resistiu a uma infecção abdominal, tornando-se a 19.ª vítima da chacina.

A jovem foi uma das seis pessoas inicialmente feridas nos atentados. Pouco depois das 21 horas do dia 13, a adolescente saiu da casa de uma amiga, na Rua Suzano, em Osasco, e decidiu passar em uma lanchonete para comprar um lanche e seguir para casa, no bairro vizinho. Foi quando um carro passou atirando contra pedestres na calçada, atingindo Letícia e uma mulher de 27 anos, que sobreviveu. 

"No hospital, quando ela ainda estava consciente, falou para a família que os caras passaram atirando e rindo. Como a gente vai imaginar que pode estar amanhã na rua e levar um tiro de um policial?", questiona uma adolescente, de 15 anos, colega de classe de Letícia no 1.º ano médio da Escola Estadual Doutor Aureliano Leite. Há suspeita de envolvimento de policiais militares na chacina.

No enterro da jovem, na tarde desta quinta, no Cemitério Parque Jaraguá, na zona oeste da capital, os amigos pareciam não acreditar na morte da jovem. "Ela havia saído da UTI, chegou a ficar consciente, falou para a mãe ficar despreocupada porque ia sair dessa. A gente achou que ela ia sobreviver. Agora só fica um vazio", comentou outra amiga da jovem uma adolescente de 16 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.