Onda de violência assusta moradores de Ribeirão Preto, no interior de SP

Duas pessoas morreram, cinco ônibus foram atacados e uma delegacia metralhada

Rene Moreira, Especial para O Estado,

07 de dezembro de 2012 | 17h53

FRANCA - A morte de um rapaz na noite desta quinta-feira, 6, na praça São Bartolomeu, em Ribeirão Preto (SP), culminou com o ataque a cinco ônibus urbanos, dos quais dois ficaram completamente queimados. A polícia, que foi recebida a pedradas na zona Norte, atribui os ataques a pessoas ligadas ao jovem que foi vítima de tiros disparados por desconhecidos quando se encontrava numa praça.

Os ataques ocasionaram uma situação inusitada. Ônibus interromperam os trajetos e rumaram para a garagem da empresa que ficou com mais de 150 veículos parados em seu interior até a madrugada desta sexta-feira, 7, quando voltaram a circular, porém, com escolta policial. Os ataques teriam começado após Maxuel William Domingos, de 22 anos, ser morto com três tiros no Jardim Jandaia um pouco depois das 20h de quinta-feira. Ele tinha diversas passagens pela polícia, que atribui o início dos ataques a amigos da vítima. O primeiro ônibus foi queimado na avenida Maestro Hervê Cordovil, onde três homens em motocicletas obrigaram o motorista a parar e os passageiros a descerem. Depois atearam fogo no coletivo.

Outro ônibus foi incendiado na avenida João Goulart por dois rapazes que se passaram por passageiros. Na tentativa de apagar o fogo, viaturas do Corpo de Bombeiros foram apedrejadas. A Polícia Militar teve de intervir com bombas de gás lacrimogêneo e tiros de borracha, mas ninguém foi preso. Além desse caso, outros três coletivos foram apedrejados também na zona Norte da cidade.

Morte

Um jovem de 18 anos morreu, segundo a Polícia Militar, após atear fogo em um ônibus no bairro Marinceck. Com passagens por vários crimes, ele estava numa moto que colidiu contra um carro ao avançar o sinal de pare. Um adolescente de 15 anos que estava com ele foi internado em estado grave. A motorista do carro também ficou ferida, mas sem gravidade, assim como uma criança que estava na calçada e acabou atropelada.O comandante da 2ª Companhia da PM, José Antônio Golini Junior, disse que os dois transportavam um galão de gasolina no momento do acidente, foram vistos por policiais e aceleraram para fugir. Já o delegado Carlos Henrique Garcia pediu ao juiz da Infância e Juventude a apreensão do adolescente que sobreviveu ao acidente. Ele está internado no Hospital das Clínicas sob escolta policial.

A empresa de ônibus atacada contabiliza o prejuízo em mais de R$ 500 mil e ameaça tirar os veículos das ruas se não houver garantia de segurança. O Sindicato dos Empregados no Transporte Urbano também já fala em paralisação se houver riscos para a categoria. Ainda nesta sexta-feira, o 5º Distrito Policial de Ribeirão Preto, no bairro Geraldo Correa de Carvalho, foi metralhado na madrugada. Pelo menos seis tiros atingiram as portas e as paredes da delegacia, que ainda não conseguiu identificar os autores.

A violência em Ribeirão Preto cresceu este ano, segundo balanço da Secretaria de Segurança Pública do Estado. O número de homicídios dolosos (quando há intenção de matar) teve uma alta de 71% na cidade. Foram 67 casos de janeiro a outubro de 2012, contra 39 no mesmo período do ano passado. O recorde foi em outubro, quando 16 pessoas foram assassinadas.

Tudo o que sabemos sobre:
ViolênciaRibeirão Preto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.