OMS emite alerta global de contágio por poliomielite

Pela segunda vez na história, órgão decreta emergência sanitária; foco de contaminação está na África, no Oriente Médio e na Ásia

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

06 Maio 2014 | 02h06

Pela segunda vez na história, a Organização Mundial da Saúde (OMS) decreta emergência sanitária global por causa do risco de contágio por uma doença. Após detectar casos de poliomielite em mais de uma dezena de países, o Comitê de Emergência da entidade anunciou ontem a decisão de emitir o alerta mundial. A primeira emergência foi decretada em 2009, com a gripe A.

Apesar de as notificações de poliomielite estarem principalmente na África, Oriente Médio e Ásia, a OMS optou por decretar o estado de emergência como forma de combater sua proliferação e evitar que a doença chegue a países que, com esforços de anos e milhões de dólares gastos em prevenção, conseguiram erradicá-la.

Para a OMS, os novos surtos são "eventos extraordinários e que exigem uma resposta internacional coordenada". "As condições para declarar uma emergência internacional de saúde pública foram preenchidas", afirmou Bruce Aylward, vice-diretor da entidade.

Depois de paralisar milhões de pessoas pelo mundo, os casos foram reduzidos em 99% desde 1988. O vírus estava prestes a ser declarado como extinto há três anos. Conflitos armados em algumas regiões e a falta de investimentos em outras, no entanto, abriram as portas para a volta da doença.

"Conflitos fazem com que as campanhas de vacinação de crianças se transformem em operações difíceis", disse David Heymann, professor da Escola de Medicina Tropical e Higiene de Londres. "A erradicação se transformou em algo mais difícil do que imaginávamos."

Deslocamento. O risco, desta vez, é que com a facilidade de contatos e de viagens, o vírus tenha maior chance de chegar a novas regiões. Os principais focos da nova onda da doença são Paquistão, Camarões e Síria. A recomendação a esses governos é que não permitam a saída de cidadãos sem que estejam vacinados. Com a guerra na Síria e diante dos mais de 3 milhões de refugiados, por exemplo, a OMS reconhece que portadores do vírus já estejam em outros países.

Outro centro da atenção é o Paquistão. Em 2012, um total de 223 casos foram identificados no mundo. O número foi o mais baixo já registrado. Mas, em 2013, esse número já chegou a 417. Nos quatro primeiros meses deste ano, já são 74 casos - 59 no Paquistão.

A maior preocupação da OMS é que nas cidades paquistanesas nem sequer começou a temporada do ano em que os casos são mais frequentes. Parte do projeto de vacinação foi afetada depois que o governo americano usou um agente disfarçado de médico para vacinar as crianças de uma casa que, depois, se descobriria como o esconderijo de Osama Bin Laden.

Rumores de que a vacina causava perda de fertilidade também atrapalham o processo. Apenas em 2013, mais de 20 médicos que percorriam o país foram assassinados, além de nove policiais que faziam a segurança de centros de vacinação.

Recomendações. Entre as recomendações, a OMS pede que os países afetados ampliem as campanhas de vacinação e deem às pessoas que estejam viajando documentos que identifiquem se elas foram de fato imunizadas. O vírus, disseminado por fezes, ataca o sistema nervoso e pode causar paralisia em algumas horas - 10% dos afetados morrem e não há cura.

Para a OMS, "o ressurgimento do vírus é um recado de que, até uma doença ser erradicada, o risco de proliferação existe".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.