Olimpíada de Língua Portuguesa abre inscrições

Abrem hoje as inscrições para a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro, promovida pelo Ministério da Educação e pela Fundação Itaú Social. Apesar de ter nome de competição, a ideia não é selecionar talentos, mas aprimorar a didática dos professores e ampliar competências de escrita em estudantes da rede pública.

Paulo Saldaña, O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2014 | 02h03

Podem participar docentes e alunos do 5.º ao 9.º ano do ensino fundamental e também dos três anos do médio. Os trabalhos são avaliados por categoria - poema, memória, crônica e artigo de opinião -, dependendo da série dos alunos. A maior importância, entretanto, está no processo, que envolve formação docente, oficinas de leitura, produção de texto e uso de materiais específicos.

Segundo a gerente de educação da fundação, Patricia Mota Guedes, o projeto atinge 98% dos municípios do País. "A Olimpíada é um grande programa de formação continuada para professores, que traz metodologias, sequências didáticas e material que auxiliam o professor no dia a dia das aulas. Para participar, o professor precisa fazer o processo na sala", diz.

A professora Vanicléia de Oliveira Sousa Rebelo, de 40 anos, já teve alunos finalistas nas três primeiras edições. "O segredo é fazê-los acreditar que é possível, mostrar que a proposta não é caçar talento, mas fazer com que o aluno escreva", diz ela, que é de Tamboara, cidade paranaense com menos de 5 mil habitantes. "Temos de acreditar no material e trabalhar. Em todas as edições não foram os melhores da sala que se destacaram, porque é um processo de reescrita", diz ela.

Foi graças à participação na olimpíada que a estudante Thairiny Cristiane Ribeiro, hoje com 20 anos, conseguiu nota 970 (de 1 mil) na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2010 e garantiu uma vaga em Engenharia na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Em 2010, ela foi uma das vencedoras do programa. "Me ajudou muito a escrever melhor, porque trabalhei muito para fechar bem as ideias, não deixar as coisas soltas", diz ela, que é de Limeira (SP).

Como os alunos precisam escrever sobre o lugar onde moram, ainda há a pesquisa sobre a cidade. "Dentro da escola não tínhamos o horizonte do que era nossa cidade e a olimpíada foi bem favorável nisso."

No fim do ano são selecionados 500 semifinalistas e, na etapa seguinte, 152 professores e alunos finalistas. A final será realizada em Brasília, em dezembro, quando serão anunciados os 20 vencedores nacionais.

Os escolhidos receberão medalhas de ouro, um notebook e uma impressora. As escolas nas quais estudam são contempladas com laboratórios de informática, com dez computadores e uma impressora, além de um projetor, telão e livros. A inscrição vai até 30 de abril pelo site www.escrevendoofuturo.org.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.