Olhos nos olhos

O teleprompter é, ainda, um problema sério no Horário Eleitoral Gratuito da televisão brasileira. Não são poucos os candidatos a deputado País afora que, na leitura do próprio número - que seja! -, olham fixamente para um ponto infinito que só os cegos enxergam atrás do espectador. Repara só!

Tutty Vasques, O Estado de S.Paulo

20 Agosto 2010 | 00h00

Dá para votar num desconhecido que, nos 15 segundos que tem para se apresentar, não consegue cruzar seu olhar com o do eleitor? E, no entanto, a culpa nem sempre é dele, coitado, visivelmente desconfortável no frio do estúdio, em busca de uma cola de texto nalgum espaço acima - ora à direita, ora à esquerda - das têmporas do público votante que lhe assiste em casa com visível má vontade.

Não são os piores! Há até algo de ingênuo e sincero em quem dá a cara a tapa e faz papel de idiota na propaganda política obrigatória em curso. Depois que aprende a se relacionar simultaneamente com a câmera e o teleprompter, aí sim, o político vira um completo dissimulado. Eu, pelo menos, desconfio de todo candidato capaz de ler seus improvisos sem tirar os olhos do eleitor.

Não é fácil e, até certo ponto, arriscado. Dizem que, se bater um vento na hora, o cara fica para sempre com aquele olhar oblíquo do ex-presidente argentino Néstor Kirchner. Será?

Ah coitado!

Pedro Bial não dorme há duas noites! Perdeu o sono com o lobby de Rita Cadillac no Festival de Cinema Brasileiro de Miami para participar do

próximo Big Brother Brasil. Ninguém merece!

Nada feito

Fracassou, pela segunda semana consecutiva, o tal esforço concentrado no Congresso. Quem já sofreu de prisão de ventre sabe o quanto isso é frustrante.

Esses moços

A vida e a carreira do ídolo teen Fiuk podem virar tema de um especial de fim de ano e de uma série de TV em 2011, na Globo. Na velocidade que as coisas acontecem para esse rapaz, logo, logo ele vai estar fazendo cirurgia plástica junto com o pai, o cantor Fábio Júnior.

Quer mais?

A campanha de José Serra na TV conseguiu inventar uma outra Elba Ramalho. Depois reclama que não sobe nas pesquisas!

Luta pela sobrevivência

O mosquito da dengue está de volta à Europa. Entrou pela Holanda, suspeita-se que vindo dos EUA, provavelmente em fuga das novas leis de imigração do Arizona. Se chegar à França, periga ser deportado junto com os ciganos para a Bulgária e a Romênia.

Falso apoio

Se a campanha em cadeira de rodas e muletas der a Sérgio Cabral a mesma sorte conferida a Vanderlei Luxemburgo no Atlético Mineiro, Fernando Gabeira pode até ter alguma esperança de disputar o segundo turno no Rio.

Adversário à altura

Foi mais difícil do que se imaginava, mas nem o paletó vermelho de Pelé conseguiu tirar o brilho da vitória do Internacional na conquista da Libertadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.