Olheiros do tráfico dominam bairro onde foi o crime

Com 30 mil habitantes, Morrinhos fica isolado do restante da cidade do Guarujá, na Baixada Santista. O bairro está à margem esquerda da Rodovia Cônego Domenico Rangoni, no sentido litoral norte. A comunidade é carente. Começa com ruas de asfalto, que mudaram para vias de terra, e termina em palafitas.

O Estado de S.Paulo

07 Maio 2014 | 02h02

Para percorrer a comunidade, é necessário cruzar pelos olheiros do tráfico, munidos de celulares. Eles intimidam nas esquinas. Ontem não houve ameaças.

O clima sempre foi tenso na área onde no sábado a dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, foi atacada. "Nenhuma criança ficava na rua. Todo mundo tinha medo da sequestradora", disse a balconista do açougue, que não quis se identificar. Ela tem dificuldade de explicar como o boato ganhou o bairro. "Estava no Facebook. Todo mundo falava disso."

Com o risco de prisões em massa por homicídio, a lei do silêncio impera. "Não vi nada. É que eu nunca saio daqui de dentro", diz a dona da copiadora. Segundo parentes de Fabiane, o espancamento começou ali. A polícia estima que mil pessoas testemunharam o crime. / B.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.