Odebrecht propõe fazer estudo para a Linha 6-Laranja

Ramal vai ligar a Estação São Joaquim, da Linha 1-Azul, na região central, ao bairro de Pirituba, na zona norte

Adriana Ferraz e Nataly Costa, O Estado de S. Paulo

03 Outubro 2011 | 22h45

SÃO PAULO - A construtora Odebrecht apresentou proposta ao governo do Estado para fazer o projeto inicial da futura Linha 6-Laranja do Metrô, orçada em R$ 10,2 bilhões. O ramal vai ligar a Estação São Joaquim, da Linha 1-Azul, na região central, ao bairro de Pirituba, na zona norte, passando por Freguesia do Ó, Perdizes, Água Branca e Higienópolis.

Uma das maiores empresas do País, a construtora é a responsável pelas obras do estádio do Corinthians em Itaquera, na zona leste. Ela também participa do projeto de instalação de um centro de exposições em Pirituba, com acesso à Linha 6-Laranja.

A linha deve ser a primeira de São Paulo a ser construída por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP) - a Linha 4-Amarela é operada pelo mesmo modelo, mas foi construída pelo Estado. A licitação está prevista para ser lançada ainda neste ano, com início das obras em 2012. Quem vencer a disputa terá permissão para construir e operar a linha - o prazo da concessão patrocinada (com cobrança de tarifa), no entanto, ainda não foi definido pelo governo estadual, assim como a data de entrega das primeiras estações.

A iniciativa da Odebrecht deve ser publicada no Diário Oficial do Estado nos próximos dias. Trata-se de uma manifestação de interesse público, que abre espaço para que outras empresas do setor apresentem a mesma proposta. O estudo de viabilidade, no entanto, deve ser feito de forma gratuita, sem impor custos ao poder público.

O interesse foi conhecido em julho, quando um ofício encaminhado ao Conselho Gestor de PPP relatou a intenção da construtora em "participar conjuntamente na execução de estudos e projetos necessários à viabilização do empreendimento". Na reunião, havia diversos secretários estaduais, entre eles Jurandir Fernandes, dos Transportes Metropolitanos.

O governo admitiu ter recebido a proposta, mas não informou se concederá ou não a licença à empresa. A Odebrecht disse que aguarda a publicação no Diário Oficial do Estado. Até lá, não fará comentário sobre o estudo.

Polêmica. Apelidada como a linha das universidades, a Linha 6-Laranja só teve seu traçado definido após muita polêmica. Em junho, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou que o bairro de Higienópolis, área nobre, ganharia uma estação, apesar de parte da população local resistir à ideia. Uma moradora chegou a dizer que o Metrô atrairia "gente diferenciada".

Após semanas de discussão, Alckmin transferiu a Estação Angélica-Pacaembu, que inicialmente seria na Avenida Angélica, para a Rua Sergipe e deu a ela três saídas: uma na Rua Bahia, outra nas proximidades do Estádio do Pacaembu, e a terceira, perto da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap).

Agora, a discussão está concentrada na extensão ou não da linha até o bairro Anália Franco, na zona leste. A ampliação do trajeto, passando por bairros como Ipiranga e Mooca, aliviaria a já saturada Linha 2-Verde, que, recentemente, chegou à Vila Prudente. Mas, seja qual for o projeto final, ele deve ser tocado pela iniciativa privada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.