Ocupação cai, mas os preços dos hotéis sobem

Diária média chegou a R$ 316,66 no primeiro semestre; quartos estão mais vazios do que no ano passado

O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2012 | 03h07

Os hotéis de São Paulo estão mais vazios neste ano. Os preços, porém, não param de subir. É o que mostra a pesquisa da SPTuris em relação à taxa de ocupação e diária média dos quartos de hotéis paulistanos. A ocupação, de 65,74%, é a mais baixa desde 2010. Também caiu em relação ao mesmo período do ano passado, quando o uso da hotelaria por turistas na capital foi de quase 70%.

Por outro lado, hospedar-se na cidade nunca foi tão dispendioso. A diária média, que custava R$ 236,96 em maio de 2011, saltou para R$ 316,66 no mesmo mês deste ano, aumento de 33%. São Paulo, que já foi considerada uma capital com hospedagem relativamente barata, hoje se aproveita do bom momento do País internacionalmente para subir o preço das diárias.

É o que diz a coordenadora da graduação em Turismo da Universidade Anhembi Morumbi, Andréia Nakane. "Não é só em São Paulo, mas no Rio também. A cadeia turística acaba se aproveitando desse momento de projeção do Brasil e inflacionando os preços, no intuito de aproveitar uma onda positiva", diz.

O presidente da Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), Marco Ferraz, diz que o turista reclama muito dos altos preços das diárias em São Paulo. "E a falta de investimento em novos hotéis compromete a vinda de mais turistas. Muitas vezes, em grandes eventos como a Formula 1, nós, operadores, temos de colocar turistas a 100 quilômetros de São Paulo", comenta

Opções. Para Andréia Nakane, a queda na taxa de ocupação dos hotéis ainda não é preocupante. "Temos de levar em conta a vocação hospitaleira e acolhedora do brasileiro. O turista que vem para cá também dispõe de outras opções de hospedagem, fica em casa de amigos e parentes." / A.R. e N.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.