Obras vão garantir água no Estado de São Paulo em 2015, diz Alckmin

Obras vão garantir água no Estado de São Paulo em 2015, diz Alckmin

Governador ressalta intervenções para combater crise e diz que dependência em relação ao Cantareira está sendo reduzida

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

07 de novembro de 2014 | 13h24

Atualizada às 15h26

BOITUVA - O governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse nesta sexta-feira, 7, em Boituva, no interior de São Paulo, que o governo não depende apenas das chuvas para evitar que a crise hídrica se estenda até 2015. "Estamos fazendo obras. Além de interligar os sistemas que abastecem a Região Metropolitana de São Paulo, vamos ter a água do Sistema São Lourenço, que iremos trazer de Juquitiba, a 80 quilômetros", disse. "Agora estamos investindo no reúso, um trabalho importante que vai permitir o reaproveitamento da água usada."

No caso do sistema São Lourenço, a água só deve chegar à Grande São Paulo a partir de 2017.

Mesmo reafirmando que a pior fase da crise hídrica já passou com a volta das chuvas no Estado de São Paulo, o governador alertou que, além dos investimentos em obras, ainda é preciso economizar água. "Foi a maior seca dos últimos 84 anos e atingiu principalmente a região nordeste do Estado, onde fica o Sistema Cantareira."

Alckmin garantiu que a dependência do sistema está sendo reduzida. "Antes, o Cantareira representava metade do abastecimento da Grande São Paulo e hoje representa só um quarto. Nós tirávamos 33 metros cúbicos por segundo e agora reduzimos para 19. Com mais um metro cúbico que vamos captar do Guarapiranga, será reduzido para 18 metros cúbicos."

De acordo com o governador, os reservatórios que abastecem a Região Metropolitana de São Paulo estão sendo interligados para evitar que falte água quando um dos sistemas fica comprometido, como ocorreu com o Cantareira. Ele disse que o governo estadual também ajuda os municípios a enfrentar a crise hídrica, lembrando que o governo liberou recursos para ajudar no abastecimento de Itu, em grave racionamento desde fevereiro deste ano. 

Recuperação da Raposo. Alckmin esteve em Boituva, região de Sorocaba, para entregar 178 apartamentos da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) para famílias de baixa renda. O governador anunciou a recuperação de um trecho de 204 quilômetros da rodovia Raposo Tavares (SP0-270) entre Itapetininga e Ourinhos, no sudoeste paulista.

O trecho de 204 quilômetros não será concedido à iniciativa privada e não terá pedágio, pois vai ser feito pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER). O projeto será concluído até o final deste ano e a obra será licitada no início de 2015.

O governador esteve também em Sorocaba para a assinatura da doação da área em que será construído um hospital regional. A unidade terá 250 leitos, sendo 96 de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e dez salas de cirurgias. A obra será iniciada no início de 2015, com prazo de 24 meses.

Secretarias. Alckmin confirmou que seu governo estuda a redução de secretarias, mas negou que a da Agricultura vá ser extinta. Uma petição pública circula pela internet coletando assinaturas contra a possível extinção da pasta.

"Nem sei de onde vêm esses boatos. A Secretaria da Agricultura é das mais antigas e importantes, e São Paulo é a terra do agronegócio. Temos 25 secretarias e estamos avaliando para reduzir uma ou outra, mas não a de Agricultura" afirmou, sem mencionar as pastas que podem ser extintas. "Estamos avaliando com cautela, sempre na linha de reduzir gastos para aumentar os investimento."

Acidente. Quando se deslocava de carro do heliponto da cidade para o local do evento, o governador presenciou um acidente à frente do veículo que o levava. Um motociclista se perdeu ao passar uma lombada e ele e sua acompanhante foram ao solo.

Alckmin, que é médico, pediu ao motorista que parasse o carro e foi atender as vítimas, ficando ao lado delas até a chegada da viatura do serviço de resgate.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.