Obras do Rodoanel Norte começam em fevereiro

Previsto inicialmente para 2014, último trecho do anel viário deve ficar pronto em 3 anos, diz o governador Alckmin

O Estado de S.Paulo

31 Janeiro 2013 | 02h04

O Trecho Norte do Rodoanel Mário Covas deve começar a ser construído em fevereiro, afirmou ontem o governador Geraldo Alckmin. Ele também disse que todos os objetivos foram cumpridos, entre captação de financiamento, licitação, convênio com o governo federal e aprovações ambientais. As obras devem durar três anos e ser entregues em 2016. Esse trecho da rodovia terá 47 km de extensão.

"Vamos assinar o contrato em questão de duas ou três semanas. Em fevereiro, contrato já estará assinado. Aí, a empresa tem 30 dias para começar (a obra). De repente, pode até começar em fevereiro", disse o governador. O empreendimento é de responsabilidade da Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa), que é comandada pelo governo do Estado.

Esse é o último dos quatro "pedaços" do Rodoanel a ser entregue. Hoje, já estão abertos os Trechos Oeste e Sul do anel viário, que terá 177 km de comprimento. O Leste vem sendo construído pela concessionária responsável pela administração do Trecho Sul, a SPMar, e está previsto para ser inaugurado em 2014.

A construção do Trecho Norte, envolvida em polêmicas de cunho ambiental - a autoestrada cortará a Serra da Cantareira transversalmente, o que, para muitos ambientalistas, poderá afetar a fauna e a flora locais -, custará cerca de R$ 3,9 bilhões.

As empresas espanholas Acciona Infraestructuras e Isolux Corsán, associadas em consórcios a construtoras do Brasil, construirão cerca de 21 km da obra. O governo do Estado credita à atual situação econômica da Europa o interesse de empresas daquele continente no País. No total, o Trecho Norte do Rodoanel terá sete túneis, que juntos somam aproximadamente 6 km.

Cerca de 30% dos proprietários de imóveis que terão de deixar suas casas ou comércio para a construção foram cadastrados.

Atraso. Quando o processo para a contratação das empresas começou, em 2011, a promessa era de que as pistas do Trecho Norte seriam entregues até 2014. Contudo, questionamentos judiciais ao processo de licitação feitos por empresas derrotadas e a necessidade de construção de um consenso com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), financiador da obra, acabaram atrasando a licitação. Com isso, a previsão para término da obra é daqui a três anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.