Obras de rua ganham mapa com audioguia

Aplicativo leva a 103 trabalhos artísticos - é possível ainda ouvir informações sobre eles

JULIANA DEODORO, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2012 | 03h05

Felipe Lavignatti cresceu querendo ser artista, mas acabou se tornando um jornalista especializado em artes. A paixão dele e do amigo André Deak pelo assunto virou um projeto que destaca as obras de arte que estão nas ruas de São Paulo, à vista de todos, mas que muitas vezes passam despercebidas, na correria do dia a dia.

O Arte Fora do Museu mapeou 103 esculturas, grafites, murais e edifícios da paisagem urbana da capital. É uma espécie de videoguia da arte de rua. "Visitar um museu com audioguia é uma experiência completamente diferente. Queria proporcionar a mesma sensação para quem está na rua", conta Lavignatti.

O mapa interativo traz, além da localização das obras, fotos e vídeos com especialistas comentando a importância e o contexto de cada trabalho artístico. O mapa pode ser acessado na internet ou baixado como aplicativo para iPhone e iPad. O conteúdo pode ser acessado no site www.arteforadomuseu.com.br - o aplicativo é gratuito.

O grafiteiro Pato, a educadora da Pinacoteca do Estado Rosana de Paula Prado e os arquitetos Ricardo Ohtake, Valter Caldana e Isabel Ruas são as vozes que acompanham quem quer conhecer melhor os tesouros da cidade. "É só prestar atenção para ver um prédio do Oscar Niemeyer ou um grafite de Osgemeos do seu lado", diz o jornalista.

Na primeira fase do projeto, Lavignatti e Deak fizeram a curadoria em um universo de mais de 500 obras. Com a ajuda de um crítico de arte e de um especialista em roteiros artísticos, começaram a seleção somente entre obras contemporâneas e modernas. Além deste pré-requisito, era necessário que o objeto tivesse valor artístico reconhecido. "A princípio, queríamos que o mapa fosse colaborativo, mas o diferencial é exatamente o olhar curatorial sobre a cidade", afirma Lavignatti.

A ideia do projeto é também levar o cidadão para a rua. "As pessoas ficam nesse clima de medo e ninguém passeia mais. Queremos valorizar a calçada."

Antes de começar os trabalhos do Arte Fora do Museu a dupla percorreu a capital para encontrar as obras e, segundo Lavignatti, o olhar dos dois sobre a cidade também mudou.

"Uma cidade como São Paulo te leva a não olhar, você não presta atenção no caminho. Essa é uma forma de redirecionar o olhar."

Roteiros. As obras selecionadas no mapa ficam principalmente no centro expandido. O que por um lado limita a experiência dos observadores, por outro facilita a locomoção, que pode ser feita a pé.

Com a colaboração da São Paulo Convention & Visitors Bureau (SPCVB), dez roteiros temáticos são sugeridos. "São recortes dentro do nosso recorte", afirma Lavignatti. Entre as opções, um roteiro apenas na Avenida Paulista ("superfácil de fazer", segundo os organizadores), outro com os principais edifícios de Niemeyer ("muito legal", também na avaliação da dupla) e o último com murais em fachadas e empenas de prédios no centro e em Higienópolis.

Futuro. Em breve, Felipe Lavignatti e André Deak querem criar aplicativos semelhantes para as cidades-sede na Copa de 2014. A tradução do conteúdo para inglês e espanhol também está nos planos, assim como a exportação do modelo para outros países. "Vamos nos associar a artistas, estudiosos e professores para fazer o projeto com quem tem domínio dos locais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.