Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Obras da Estação Oscar Freire alteram operação da Linha 4 no domingo

Entre 15h e 0h, o embarque e o desembarque nas Estações Paulista e Fradique Coutinho serão feitos na mesma plataforma

Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2017 | 17h27
Atualizado 09 Novembro 2017 | 17h48

SÃO PAULO - A execução de obras da futura Estação Oscar Freire, na zona oeste de São Paulo, vai alterar a operação da Linha 4-Amarela na tarde e na noite do próximo domingo, 12. Entre as 15 horas e a meia-noite, o embarque e o desembarque de passageiros nas Estações Paulista e Fradique Coutinho serão realizados na mesma plataforma, tanto no sentido Butantã como Luz. Além disso, o intervalo entre os trens será maior.

+++ Metrô de SP terá novo túnel da Estação Consolação à Paulista

Segundo a ViaQuatro, concessionária que administra a Linha 4, avisos sonoros informarão o destino de cada trem nas duas paradas que terão a operação alterada e a equipe de atendimento será ampliada para auxiliar os usuários nos deslocamentos, minimizar o impacto da mudança e garantir a segurança.

+++ Novas estações de Metrô 'mudam a cara' da Linha 5-Lilás

Nas demais estações da Linha 4 (Butantã, Pinheiros, Faria Lima, República e Luz), o embarque e desembarque será normal.

 

A mudança no ramal não deve prejudicar os candidatos que estão prestando o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). No domingo, ocorre o segundo dia de provas, com testes de Matemática e Ciências da Natureza. Os portões se abrem ao meio-dia e se fecham às 13 horas, portanto, antes da alteração na Linha 4.

+++ Grupo chinês deve 'comprar' Linha 6 do Metrô e retomar obra parada

Informações adicionais podem ser obtidas na central de atendimento da ViaQuatro (0800 770 7100), que funciona de segunda a sexta-feira, das 6h30 às 22 horas, e sábado e domingo, das 8 horas às 18 horas. A concessionária disponibiliza ainda outros canais, como o e-mail da ouvidoria e o site.

Novo túnel

A Estação Paulista ganhará um novo túnel para ser ligada à Estação Consolação, da Linha 2-Verde. O objetivo é tentar aliviar a superlotação no local. A conexão foi apelidada de "túnel dos pinguins", graças à comparação de um ex-presidente da empresa, ao descrever o fluxo lento de passageiros. Já foi aberto o processo para contratar o projeto executivo da obra, que será financiada pelo Banco Mundial. 

A passagem - na verdade, são três túneis interligados - tem 171,6 metros de extensão. Hoje, afirma o Metrô, por lá circulam 22,5 mil pessoas nos horários de pico da manhã e da tarde.

Inaugurado juntamente com a Estação Paulista em setembro de 2011, o túnel se mostrou subdimensionado desde o primeiro dia de operação no horário de pico. Grades tiveram de ser instaladas para separar o fluxo de passageiros e o piso tátil original, voltado para pessoas com deficiência visual, teve de ser alterado. 

A ideia agora é que o túnel existente seja de mão única, apenas para passageiros que vão para a Estação Consolação, na Avenida Paulista. A nova passagem subterrânea será usada para aqueles que seguem para a Estação Paulista, que fica na Rua da Consolação. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.