Obra em marina causa polêmica em Ubatuba

Ambientalistas temem impactos na hoje tranquila Praia do Lázaro. Dono nega e diz que vai abrir apenas uma loja

REGINALDO PUPO , ESPECIAL PARA O ESTADO , UBATUBA, O Estado de S.Paulo

06 Abril 2012 | 03h02

Uma das praias mais valorizadas de Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, poderá perder a fama de tranquila caso seja aprovado um projeto de ampliação de uma marina. Um abaixo-assinado, organizado pelo Coletivo de Entidades Ambientais, circula pela Praia do Lázaro para tentar barrar o projeto. O documento será remetido ao Ministério Público.

Segundo ambientalistas, o projeto prevê aumento da capacidade da Sea Club Marina para 400 embarcações, o que poderia provocar impacto direto e indireto na praia, como a intensa circulação de lanchas puxadas por tratores na areia. Eles temem a supressão de vegetação.

Na tarde de anteontem, máquinas e caminhões realizavam manobras na área onde, segundo ambientalistas, será feita a ampliação. A fundação de uma edificação está sendo realizada. A área está cercada por tapumes.

"Caso a ampliação da marina ocorra, será prejudicial ao ambiente. O vaivém de tratores poderá prejudicar a circulação de banhistas e a passagem para a Praia Sununga, ao lado da Praia do Lázaro", disse o comerciante Moacir Azevedo Santos.

Alexandre Iwanow, dono de uma pousada a 50 metros da marina, também teme que a movimentação de lanchas afete o negócio. "Essa proposta vai causar poluição do mar", acrescentou.

Histórico de luta. Segundo ambientalistas, um abaixo-assinado já tentou em 1999 barrar a construção da marina, mas a ação não obteve êxito. A nova coleta de assinaturas, que já soma cerca de 400 adesões, pretende impedir a ampliação. Eles apostam em uma lei municipal de 2001 que proíbe a ampliação de marinas em Ubatuba.

Para os ambientalistas, a área cercada por tapumes teria sido adquirida pelo proprietário da marina com o objetivo de ampliá-la. A entidade afirma que, para burlar a lei municipal, os responsáveis teriam protocolado três projetos distintos na prefeitura para descaracterizar a ampliação. A prefeitura de Ubatuba diz que os projetos estão em análise.

A secretária municipal do Meio Ambiente, Cristiane Gil, confirmou que os processos apresentados pelo empreendimento foram desmembrados. "Vamos avaliar se os projetos apresentados pela marina estão dentro da lei e se há algum tipo de irregularidade", disse.

Marco Antonio Custódio, proprietário da Sea Club Marina, negou que vai ampliar seu empreendimento. Segundo ele, as obras darão lugar a uma loja. "A área é de propriedade de outro empresário e não tem nada a ver com a ampliação da marina."

Mesmo dizendo não ser proprietário da área, o empresário disse que "toda a comunidade é favorável (ao empreendimento), ao contrário do que dizem os ambientalistas, já que será uma outra atividade e vai gerar empregos". Segundo ele, a obra tem aprovação da prefeitura, demais órgãos e é acompanhada pelo MP e pelo Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). O empresário afirmou ainda que o abaixo-assinado que está circulando na praia é uma "fraude". "Há assinaturas de pessoas que não moram no Lázaro."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.