Obra do Túnel Santos-Guarujá começa em 2014

Construção da megaestrutura usará técnica inédita no Brasil e levará à interdição do Porto de Santos por pelo menos cinco dias

BRUNO RIBEIRO, CAIO DO VALLE, O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2013 | 02h02

Imaginado há oito décadas, o projeto para a construção de um túnel entre Santos e Guarujá, no litoral paulista, deve começar a sair do papel no próximo ano. Essa é a previsão da Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa) para o início da obra, que estará pronta em 2016. A montagem da estrutura vai usar um processo construtivo inédito no Brasil, que envolve a submersão de grandes segmentos de concreto no Canal do Porto, que terá interdições.

Por falta de parâmetros na engenharia nacional, a Dersa teve de recorrer a especialistas internacionais para elaborar o projeto. E a maior referência nesse assunto é a Holanda - país que, com a maior parte do território abaixo do nível do mar, tem mais de 80 túneis submersos.

Na semana passada, o holandês Martijn Smitt, tido como uma das maiores autoridade do mundo no tema, esteve em São Paulo para prestar consultoria ao Estado. Sua empreiteira, a Strukton, assina a maior obra do gênero, em construção na Coreia do Sul, com 8 quilômetros de extensão. "Em Santos, a dificuldade é o porto. Não pode haver acidentes, pois isso o paralisaria e traria prejuízos para a economia de todo o País", afirma. O túnel paulista terá 1,8 km, sendo cerca de 700 metros na área sob o Canal do Porto.

O túnel é feito a partir de blocos pré-moldados, chamados elementos de túnel. A fixação desses elementos no fundo do mar combina monitoramento eletrônico para posicionar os elementos com precisão milimétrica a conceitos básicos de física, como força de empuxo e de pressão. Smitt estima que o processo fará o porto ser fechado, alternadamente, por pelo menos cinco dias.

Em Santos, serão sete elementos de mais de 100 metros de comprimento e 35 metros de largura cada. A passagem ligará o bairro santista de Macuco a Vicente de Carvalho, no Guarujá. As enormes peças serão construídas em docas secas ou navios especializados. No miolo delas, haverá três células: as das extremidades se transformarão em pistas para automóveis, ônibus, caminhões e para o futuro Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). Pela câmara central, circularão pedestres e ciclistas.

Tecnologia. O presidente da Dersa, Laurence Casagrande Lourenço, explica que a escolha desse tipo de construção se deve ao solo arenoso da área. Se um túnel convencional, escavado, tivesse de ser construído, ele precisaria ficar a, no mínimo, 90 metros de profundidade, o que tornaria a obra muito cara e com rampas com inclinação inviável para os caminhões. "Estamos patrocinando a transferência da tecnologia", diz.

A localização do túnel, bem no meio do canal, foi escolhida entre sete opções. "O local que se mostrou mais adequado é a região de Outeirinhos, o atual cais de passageiros de Santos", explica Antonio Cavagliano, gerente de Projetos da Dersa. "No lado do Guarujá, ele sai praticamente na reta do linhão."

A obra deverá custar R$ 1,4 bilhão. A Dersa busca financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), mas não descarta fazer uma Parceria Público-Privada (PPP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.