Obra do Porto do Rio revela antigo sistema de drenagem

Cais da Imperatriz também pode esconder o do Valongo, local em que desembarcaram pelo menos 2,5 mi de escravos

Felipe Werneck, O Estado de S.Paulo

03 Março 2011 | 00h00

Além do Cais da Imperatriz, de 1843, arqueólogos do Museu Nacional encontraram, em escavações realizadas na Avenida Barão de Tefé, na zona portuária do Rio, trecho do sistema de drenagem executado na década de 1870 pelo engenheiro inglês Edward Gotto. Agora, o objetivo é verificar se outra estrutura localizada nas obras de reforma da região pertence ao Cais do Valongo, onde chegavam os escravos.

"Nós sabíamos pela documentação histórica que o Cais da Imperatriz estava aqui e queremos encontrar o Valongo por baixo dele. Ainda é hipotético, estamos estudando, mas há um trecho ao lado do Hospital dos Servidores, em um nível mais baixo, que estamos supondo tratar-se do Valongo", disse ontem a arqueóloga Tania Andrade Lima, que coordena a pesquisa. "Acredito que sim, mas o trabalho ainda está em andamento. É uma hipótese." Segundo o historiador Manolo Florentino, pelo menos 2,5 milhões de escravos desembarcaram ali.

Tania explicou que o projeto do Museu Nacional, desenvolvido há oito meses, foi submetido e aprovado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). "Não é um achado fortuito." As escavações começaram há menos de um mês, juntamente com as obras de instalação de novas galerias pluviais, no projeto Porto Maravilha. As áreas abertas serão ampliadas. "A legislação obriga o acompanhamento arqueológico." Ela ressaltou que não deu entrevista na véspera porque estava aguardando que o prefeito se manifestasse.

Ruínas romanas. Agora, as manilhas de águas pluviais terão de ser desviadas. "Já solicitamos a alteração do desenho geométrico da pista próxima do Hospital dos Servidores para que o sítio socializado tenha maior significância", informou o Instituto do Patrimônio.

O subsecretário de Patrimônio no Rio, Washington Fajardo, disse ainda que as diretrizes para a "salvaguarda do achado" serão dadas pelos arqueólogos do Museu Nacional e pelo Iphan. O prefeito Eduardo Paes prometeu anteontem preservar as estruturas encontradas e criar um centro de visitação. "A ideia é fazer daquilo nossas ruínas romanas", declarou.

Sobre o Cais da Imperatriz, Fajardo disse que a grande surpresa é a integridade do piso. "Havia grande expectativa de que fosse encontrado. É emocionante perceber como as cidades são feitas em cima de cidades."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.