Obra de italiano foi escolhida em concurso

Um dos marcos do centro paulistano, o monumento Glória Imortal aos Fundadores de São Paulo, na frente da igreja do Pátio do Colégio, tem 26 metros de altura e foi instalado ali em 1922 - desde 2007, é tombado pelo órgão municipal de proteção ao patrimônio. Assinada pelo escultor italiano Amadeu Zani (1869-1944), a obra foi escolhida por meio de concurso público.

O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2011 | 03h00

O monumento é uma coluna sobre um grande pedestal de granito. De bronze, a figura feminina no alto representa a cidade de São Paulo. Ela faz um gesto de coroação, como se homenageasse os fundadores da capital paulista. Na mão direita, ergue uma tocha, símbolo de amor eterno; na outra, um ramo de louros e uma foice, representando, respectivamente, a glória e o trabalho.

Glória Imortal aos Fundadores ainda alude aos primeiros tempos da Vila de São Paulo de Piratininga. Em baixo-relevo, aparece na escultura o trabalho do padre jesuíta José de Anchieta, a primeira missa - celebrada pelo padre Manoel da Nóbrega - e o cacique Tibiriçá, líder indígena da região.

O pedestal também ostenta alguns medalhões, de bronze, com retratos de antigas autoridades: Martim Afonso de Souza, fundador da Vila de São Vicente; Mem de Sá, governador geral do Brasil de 1558 a 1572; d. João III, rei de Portugal entre 1521 e 1557; e o papa Júlio III (1550-1555). / EDISON VEIGA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.