Obra da ciclovia na Paulista vai durar 90 dias, diz Haddad

Implantação deve começar ainda neste mês e incluirá alargamento do canteiro da avenida

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

02 Setembro 2014 | 15h51


SÃO PAULO - O prefeito Fernando Haddad (PT) afirmou nesta terça-feira, 2, que as obras para a instalação da ciclovia da Avenida Paulista devem durar 90 dias. A previsão da Secretaria Municipal dos Transportes é de que a construção da canaleta, no canteiro central da via, comece ainda em setembro, como revelou o Estado na segunda-feira.

"A previsão é 90 dias de obra. Eu vou conhecer o projeto hoje à tarde", disse o petista durante coletiva de imprensa no Terminal Pinheiros, na zona oeste, durante a manhã. Haddad explicou ainda que provavelmente não há nenhum entrave à obra em decorrência do tombamento da Avenida Paulista. "Não tem tombamento do canteiro, mas da área envoltória. Acho que é um ajuste viário, não uma obra propriamente." Os postes pretos onde ficam instalados os semáforos da avenida também são tombados.

De acordo com o secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, o plano levou três meses para ser gestado. "Se o prefeito aprovar, se não houve mudanças significativas que possam atrasar, vamos começar já a obra na Paulista."

Será necessário desviar o tráfego para a execução do projeto -- haverá prioridade para a execução ser feita durante a noite e aos finais de semana. Os canteiros onde há plantas serão removidos, assim como relógios públicos. Dois ou três postes de iluminação também devem ser realinhados.

A ciclovia ficará em um nível um pouco mais elevado do que a avenida, que não perderá nenhuma de suas oito faixas de rolagem para veículos motorizados -- embora elas percam um pouco de sua largura, já que o canteiro crescerá 25 centímetros em cada lado, para a ciclovia poder ter pistas nos dois sentidos.

Tatto afirmou que, aproveitando a obra, a Prefeitura instalará alguns dutos para passagem de fibra óptica sob a Paulista -- atualmente, parte desses cabos segue pela Alameda Santos, paralela à avenida.

A instalação de ciclovias na cidade transformou-se em uma das prioridades da gestão Haddad para a área de mobilidade urbana. Na Paulista, pessoas andando de bike já morreram atropeladas. Em março do ano passado, um jovem que ia trabalhar de bicicleta pela ciclofaixa de lazer (que funciona aos domingos e feriados na avenida) foi atropelado por um bêbado, tendo o braço direito decepado.

Desde junho, foram construídos 44,9 km de ciclovias na cidade. A meta é chegar a 400 km até o fim do ano que vem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.