OAB-SP repudia ataque de segurança contra cliente de mercado

Homem foi espancado no início do mês quando entrava no próprio carro, estacionado num Carrefour de Osasco

31 de agosto de 2009 | 19h37

A Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo (OAB-SP) divulgou nota de repudio nesta segunda-feira, 31, contra a atitude dos seguranças do hipermercado Carrefour que espancaram Januário Alves Santana, no dia 7 de agosto, em Osasco, Grande São Paulo. No comunicado, a Comissão do Negro e de Assuntos Antidiscriminatórios (Conad) da entidade avalia o episódio como "inadmissível". "É necessário que a sociedade repudie todo tipo de intolerância racial, especialmente quando o ato de racismo busca fazer a associação entre o componente étnico e o banditismo", afirma.

 

A nota é assinada pelo presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D'Urso, e o presidente do Conad, Marco Antonio Zito Alvarenga. No comunicado, os presidentes comparam a atitude tomada pelos seguranças com o caso do professor norte-americano de Harvard, Henry Louis Gates Jr., que foi preso em julho quando tentava entrar na própria casa. Finalizando a nota, Borges D'Urso e Alvarenga afirmam que o Congresso precisa aprovar novas leis que garantam os direitos de igualdade e dignidade dos brasileiros. "É imperativo que se cumpram os dispositivos que reprimem discriminações atentatórias aos direitos e liberdades fundamentais", dizem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.