O roteirista mais ocupado do Brasil

Depois do sucesso do longa Estômago, Lusa Silvestre, o santo-amarense que vive no Pacaembu e adora o Pinheiros, assina o maior nº de filmes em produção no País

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

13 Março 2011 | 00h00

Era para ser um livro. Só um. Que funcionasse como um respiro em sua carreira, consolidada, de publicitário. Mas o livro acabou virando filme. E o filme deu certo: arrebatou prêmios, fez sucesso, conquistou o público. Pronto: o publicitário Lusa Silvestre se tornou roteirista de cinema. E, aos 41 anos, com sete filmes em produção, é o que mais tem trabalhos em andamento no Brasil.

Mas o parágrafo acima é só uma sinopse. Ou um trailer. Para dar certo, a história precisa de personagens ricos e uma pitada de ação. "Acredite: quando escrevi meu primeiro filme, não tinha noção nenhuma de cinema. Tudo o que sabia era intuitivo", confessa Lusa.

Paulistano de Santo Amaro, ele nasceu Luis Fernando Rodrigues Silvestre. E sempre gostou de escrever. Em 1992, formou-se publicitário pela Universidade de São Paulo. E aí caiu no mercado. "Conheço 40 países no mundo, por causa do trabalho. De Porto Rico à Alemanha, passando por Estados Unidos, Jamaica... Era o fuzileiro naval da agência: chegava ao país, resolvia o problema e voltava para a base."

Apesar de esse vaivém internacional parecer o emprego dos sonhos, Lusa, no entanto, andava meio entediado na virada do século 21. Porque essa coisa de rotina é assim mesmo: cansa. "Senti necessidade de ter um livro", lembra. "Mas como conciliar a escrita com o trabalho? Resolvi que faria contos, porque assim poderia escrever um a um no meu tempo livre." Aliou à literatura a paixão pela gastronomia e, em 2003, fez Pólvora, Gorgonzola & Alecrim, com oito divertidas histórias.

O livro só seria publicado em 2005, pela Editora Jaboticaba. Mas, antes mesmo de ser lançado, caiu nas graças do cineasta Marcos Jorge. "O conto Presos pelo Estômago me encantou e deu origem ao nosso primeiro roteiro", relata Marcos. "Dizer que o Lusa é um escritor e roteirista de talento é quase diminuir seu valor. O certo seria dizer que ele é genial." Em 2007, Estômago chegava aos cinemas brasileiros.

Então Lusa resolveu que era hora de dar um tempo na carreira de publicitário. Precisava de um ano sabático para estudar cinema e escrever. Compulsivamente. "Em 2009, fui estudar em Lisboa. E passei o segundo semestre criando histórias." Nesse período nasceram os sete filmes atualmente em produção (veja abaixo). "Filme é negócio demorado. Do primeiro e-mail trocado com o diretor à estreia, vão uns três anos."

Atores que encarnam seus personagens não lhe poupam elogios. "Acho que ele é dotado de humor peculiar e sofisticado. Adoro seus diálogos", afirma Carolina Ferraz, que estrelará A Glória e a Graça. "O Lusa é um dos que escrevem de maneira precisa, às vezes ácida, mas sempre com humor", define Bruno Mazzeo, que estará em E Aí, Comeu?.

Mídias. Casado com a psicopedagoga Christina, de 42 anos, e pai de dois filhos - Alice, de 10 anos, e André, de 9 -, Lusa vive no Pacaembu e gosta de passar o tempo livre no Esporte Clube Pinheiros, no Jardim Europa. "Lá sinto que estou fazendo algo por mim, para deixar a fuselagem em ordem." Há um ano, voltou ao dia a dia publicitário - é diretor de criação da agência Trade. "A propaganda consome 80% de meu tempo. O cinema fica para depois das 8 da noite ou nas horas de almoço", explica ele, habitué do restaurante Nou.

Desde o início do mês, mais um trabalho ocupa sua agenda de publicitário-roteirista. Ele assumiu o papel de apresentador do programa Johnnie Walker com Gigantes, transmitido às terças, sempre às 20 horas, pela MIT FM. Está adorando o papel de entrevistador. "Rádio é sensacional. E o pessoal tem sido bem bacana para que eu consiga conciliar as gravações com minha agenda."

EM PRODUÇÃO

Dois Sequestros. Drama. Corroteirista: Marcos Jorge. História de servidor público que captura cachorro no Rio.

E Aí, Comeu? Comédia pseudo-romântica, inspirada em peça de Marcelo Rubens Paiva, corroteirista. Amigos contam peripécias amorosas.

A Glória e a Graça. Comédia melodramática. Artista doente descobre que irmão virou travesti.

O Outro Lado do Paraíso. Corroteirista: Ricardo Tiezzi. Drama histórico na construção de Brasília.

O Amor é Importante, Porra. Comédia dramática que se passa no Cemitério da Consolação. Gay de SP volta da Espanha para enterro do pai, um artista conservador.

Jardim Perfumado. Comédia romântica. Corroteirista: Marcos Jorge. Legista abandonado pela mulher volta à boemia.

O Incrível Roubo da Taça Jules Rimet. Comédia baseada em fatos verídicos. História de malandro carioca que decide roubar a taça do tricampeonato brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.