O relógio digital volta de vez à moda

Com pulseira colorida e mais recursos, o acessório que foi sucesso nos anos 1980 agora é hit entre jovens modernos

VALÉRIA FRANÇA, O Estado de S.Paulo

10 Dezembro 2011 | 03h06

Nos pulsos, é cada vez mais comum ver números digitais, pulseiras coloridas e até máquinas multifuncionais. Parece uma volta no tempo, à década de 1980, quando a Casio lançou um relógio-calculadora e a Champion, pulseiras coloridas para ser trocadas.

"A inspiração vem mesmo daí, mas hoje os relógios são desenvolvidos como acessórios de moda", diz Bruno Paixão, analista de Produto de Comunicação da Puma Time.

"Ele não é mais um instrumento indispensável para ver as horas, como antes. Essa informação está disponível no celular e no computador, por exemplo. O relógio, na verdade, realça o visual."

E como acessório de moda, o relógio digital voltou com tudo. A paulistana Lorrayne Caetano, de 24 anos, vendedora de um showroom de roupas, tem cinco modelos, um de cada cor.

"Eu nunca me lembro de olhar a hora no relógio de pulso porque estou sempre com o celular na mão. Tenho cinco modelos para combinar com roupas diferentes do armário." E por que o digital? "Ele combina mais com um estilo esportivo e moderno", explica Lorrayne.

Sucesso no mercado, o digital da Citizen, o Promaster Windsurf (R$ 594), voltou ao mercado a pedido dos clientes. Com novidades. O relógio agora tem dois marcadores de tempo para corredores, cronômetros progressivo e regressivo, além de luz.

Modernos. Mas no mercado há atualmente relógios de todas as cores e preços. A Champion lançou um modelo com visor de LED. O kit com 5 pulseiras sai por R$ 161.

Mais tecnológicos, os modelos da linha Synapse da Nixon (R$ 848) têm sistema touchscreen. Basta tocar na tela para acessar funções como alarme e cronômetro. Resiste a até 100 metros de profundidade.

Nessa linha colorida, marcas esportivas, como Puma e Adidas, entre outras, oferecem leque maior de modelos - além de cores e materiais diferenciados, há modelos com recursos específicos para quem pratica uma atividade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.