O Rei dá o 12º título à Beija-Flor

Roberto Carlos acompanhou apuração e promete voltar à Sapucaí no sábado; resultado irritou o carnavalesco da Unidos da Tijuca, Paulo Barros

Silvio Barsetti, O Estado de S.Paulo

10 Março 2011 | 00h00

Com o enredo sobre o Rei Roberto Carlos, a Beija-Flor venceu o carnaval do Rio com uma diferença surpreendente para a vice-campeã, a Unidos da Tijuca: 299,8 a 298,4. As duas eram as favoritas ao título, mas ninguém poderia supor que a escola de Nilópolis venceria com folga. A tradição nas disputas do Grupo Especial do Rio mostra que poucos décimos dão o título. A festa da Azul e Branca reuniu mais de 10 mil pessoas e contou com a presença em Nilópolis de Roberto Carlos.

O resultado irritou o carnavalesco da Tijuca, Paulo Barros. A escola tentava o bicampeonato - obteve ano passado 299,9 pontos, ante 299,4 da Grande Rio - e levou para a Sapucaí enredo sobre o medo em cenas de cinema. Perdeu décimos importantes exatamente neste quesito.

Mesmo com um desfile sem brilho, com fantasias e alegorias mal acabadas, a Mangueira conseguiu a terceira posição (297,2) e vai para o desfile das campeãs com a homenagem a Nelson Cavaquinho. Os pontos fortes foram o enredo, o samba e a apresentação da bateria.

Pela ordem, Vila Isabel, Salgueiro e Imperatriz ocuparam o quarto, quinto e sexto lugares. Das nove escolas que pontuaram, a São Clemente foi a pior. Sorte da escola da zona sul que não haverá rebaixamento - decisão tomada depois do incêndio nos barracões de Portela, Grande Rio e União da Ilha. Sobe para a elite apenas uma escola, a Renascer de Jacarepaguá.

No desfile das campeãs, o Salgueiro vai ter nova oportunidade de mostrar o enredo que tem o Rio como cenário de filmes. Na sua apresentação, na segunda-feira, a escola teve problemas com vários carros alegóricos e, por isso, foi punida com a perda de 1 ponto por atraso e com notas baixas em vários quesitos.

Chave. A 12.ª vitória da Beija-Flor parecia clara já no meio da apuração. Consolidou-se posteriormente com notas gerais que chegaram a impressionar. No quesito alegorias e adereços, por exemplo, em que a Tijuca deu um show de criatividade, Carlos Alberto Marques deu apenas uma nota 10 - para a Beija-Flor.

A escola de Nilópolis teve a seu favor um samba que "pegou", com um refrão melodioso e fácil - e contou com a força do enredo, que emocionou muita gente no sambódromo. Roberto Carlos saiu no último carro, ao lado de crianças carentes da cidade da Baixada Fluminense. A cada gesto seu, a multidão respondia com aplausos entusiasmados. E o Rei já confirmou presença na festa de sábado à noite.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.