'O que não for cumprido vai estar muito bem encaminhado', diz Haddad sobre metas

Balanço da Prefeitura aponta que só uma a cada quatro metas foram cumpridas até o momento; para, prefeito porcentual é maior: 60% 

O Estado de S. Paulo

04 Julho 2015 | 15h56

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou neste sábado, 4, que, até o fim da gestão, o compromisso previsto no seu programa de metas que não for "totalmente cumprido" vai estar "muito bem encaminhado". Conforme divulgou o Estado, a Prefeitura cumpriu integralmente apenas uma em cada quatro metas, faltando um ano e meio para o término do mandato.

Das 123 metas estabelecidas, 32 foram feitas e outras 48 têm índice de execução superior a 50%. As demais tem taxa de cumprimento inferior a 50%. Como alguns compromissos estão avançados, embora ainda não tenham sido finalizados, Haddad considera que a Prefeitura cumpriu 60% das metas. Segundo o prefeito, existe uma "diferença de contabilidade" na hora de analisar os números.

"Vou dar um exemplo: estamos construindo neste momento três hospitais. Para alguns, a meta não foi cumprida porque os hospitais não estão prontos. Para outros, está dentro do cronograma normal de construção de hospital - você não constrói hospital da noite para o dia. Na nossa contabilidade, nós temos 60% das metas cumpridas", afirmou Haddad, durante uma agenda na zona leste da capital paulista.

Questionado se cumpriria todas as metas até o final da gestão, Haddad disse estar "muito confiante". O prefeito também afirmou que "o que não for totalmente cumprido vai estar muito bem encaminhado".

O baixo índice de cumprimento das metas atinge áreas prioritárias, como saúde e educação. Das 13 metas previstas para os dois temas, apenas uma foi integralmente cumprida - a implementação de 31 polos da Universidade Aberta do Brasil. Por sua vez, Haddad disse que "nenhuma meta está esquecida". "CEU, UBS, UPA, hospital corredor de ônibus, Minha Casa Minha Vida... Nós estamos tocando tudo."

Mais conteúdo sobre:
Fernando Haddad São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.