Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

O que fazer na Vila Olímpia

O Parque do Povo é o melhor programa de todos – e onde o bairro é mais bonito

O Estado de S. Paulo

15 de setembro de 2015 | 11h55

Durante o chamado horário comercial, a Vila Olímpia é um bairro ruidoso, sempre em construção e de trânsito engarrafado. Nas calçadas, impera o vaivém de funcionários das inúmeras empresas instaladas por ali, sobretudo na hora do almoço, quando eles saem para almoçar com os crachás pendurados no pescoço. Aos sábados e domingos, há um certo vazio nas ruas. Um quase-silêncio. Prédios residenciais misturam-se a edifícios espelhados de beleza duvidosa e que guardam as então adormecidas salas de escritório.

Basta chegar perto do Parque do Povo, porém, para sentir outro clima. Crianças com bicicleta, grupos de amigos fazendo piquenique. Ali, um oásis em plena Marginal Pinheiros, a camaleônica Vila Olímpia é bem mais bonita e colorida (Av. Henrique Chamma, 420). Inaugurado em 2008, conta com equipamentos de ginástica tão bacanas que às vezes se confundem com os graciosos brinquedos infantis. Fora as pistas para caminhar, patinar e andar de bicicleta. Dois tabuleiros de xadrez gigantes divertem adultos e crianças.

Trabalhar e morar. As grandes avenidas que percorrem o bairro ou dão acesso a ele são sempre lembradas em qualquer reportagem sobre o tráfego da zona sul da cidade. Difícil pensar no movimento da capital sem falar de Santo Amaro, Nova Faria Lima, Juscelino, Bandeirantes, Hélio Pellegrino.

Vizinhos bem próximos e nobres, como Itaim e Vila Nova Conceição, contribuem para o perfil da Vila Olímpia e fazem da região como um todo uma das mais procuradas por empresas para instalar seus escritórios. O QG do Facebook, por exemplo, fica na Leopoldo Couto de Magalhães. O do Google, na Faria Lima. Quem quer morar perto do trabalho precisa poder bancar: o valor do metro quadrado pode passar dos R$ 12 000,00.

Veja também:

Compras: sobra conveniência. Além das lojas de rua da João Cachoeira e da Clodomiro Amazonas, bem pertinho, há dois shoppings bacanas. O Vila Olímpia (R. das Olimpíadas, 360) foi inaugurado em 2009. Tem 191 lojas, cinema e boliche. O JK Iguatemi (Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 2041) é cheio de grifes de luxo, entre as 180 lojas. O cinema inclui salas vip com tecnologia 4D (!) e uma com iMax.

Comes e bebes: na Vila Olímpia, ou em ruas limítrofes, se encontram os bons restaurantes argentinos Bárbaro (R. Doutor Sodré, 241), Corrientes 348 (R. Comendador Miguel Calfat, 348) e Pobre Juan (R. Comendador Miguel Calfat, 525).

Outros que não costumam decepcionar, com uma pegada charmosa, são o variado Ruella (R. João Cachoeira, 1507) e o italianinho Totò (R. Doutor Sodré, 77). Familiar, de cozinha variada e com mesas ao ar livre em um jardim bastante agradável, a Praça São Lourenço ocupa um terreno espaçoso no número 608 da rua Casa do Ator.

Enfileiram-se na avenida dos Bandeirantes endereços de salões espaçosos, como as churrascarias Jardineira (1001) e Fogo de Chão (538). No número 1051, o Rancho Português tem como especialidade o leitão assado, além das receitas com bacalhau.

Veja também: para doces muitos, a Anusha Chocolates (R. Comendador Miguel Calfat, 420). Um dos melhores pães de queijo da cidade é o do Lá da Venda, que fica no shopping JK Iguatemi, mesmo endereço da Ici Brasserie, irmã caçula e de estilo mais despojado do tradicional francês Ici, de Higienópolis. Aberto até mais tarde, o intimista All of Jazz (R. João Cachoeira, 1366) funciona de segunda a sábado até o último cliente. No salão escuro e pequeno, o público amante do gênero se acomoda em poucas mesas e num pequeno balcão para bebericar e ouvir os shows que começam por volta das 22h. Há uma lojinha de CDs no primeiro andar.

Baladas: abriu este ano na Vila Olímpia a Over Night (R. Gomes de Carvalho, 799), tradicional balada de música eletrônica da Mooca, que anima um público maduro com flashbacks. Limelight (Av. Doutor Cardoso De Melo, 1433) e The History (R. Gomes De Carvalho, 820) têm perfis parecidos. 

Remanescente da época em que a noite da Vila Olímpia era a mais concorrida da cidade, o Rey Castro (R. Ministro Jesuíno Cardoso, 181) desde 2004 embala as noites com músicas latinas. A Secret (R. Quatá, 1011) também é “antiga”. Há mais de dez anos investe em dance e black music.

Para a turma do sertanejo, o Vila Mix (R. Beira Rio, 116) funciona nas noites de quarta, sexta e sábado. Os donos são a dupla sertaneja Jorge & Mateus. 

Tudo o que sabemos sobre:
bairrosspvila olímpiao que fazer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.