Divulgação
Divulgação

O que fazer na Vila Matilde

A paisagem vem se transformando, mas o bairro ainda lembra uma cidadezinha do interior

O Estado de S. Paulo

17 de agosto de 2015 | 15h11

No coração da zona leste paulistana, contornada por grandes avenidas, a Vila Matilde conserva um jeitão bucólico, residencial e ainda pouco verticalizado. O bairro surgiu nos anos 20 do século passado e durante um bom tempo cresceu às margens de São Paulo, com uma acanhada infraestrutura de transporte e serviço. Até meados da década de 1960, por exemplo, não havia agência bancária ou ligação de ônibus com o centro da cidade. Hoje, mais de vinte itinerários atendem os cerca de 110 mil habitantes do distrito da Vila Matilde como um todo – o que inclui, além da própria Vila, outros 13 bairros.

Veja a seguir um perfil do bairro, pontuado por suas principais atrações.

Comes e bebes

As padarias Tuporã (R. Dona Matilde, 557) e Eliana Arte em Pães (R. Dona Matilde, 404) são sempre lembradas pelos moradores, e não é só por causa das fornadas de pão quentinho. A Tuporã é muito procurada por quem quer tomar café da manhã. Na Eliana, fazem sucesso as sopas. As duas ficam perto da Praça da Conquista, ou Praça da Toco, a mais famosa do bairro, e avizinham-se de uma oferta bastante variada de lugares para comer e beber, como o D’Villa Sushi (Av. Marcondes de Brito, 1343) e o regional Casa do Norte Toninho & Serginho (R. Eugênia de Carvalho, 979).

Abastecem o apetite por sorvete as tradicionais Chup’s (Av. Marcondes de Brito, 1450) e Carrossel Alegria (Av. Marcondes de Brito, 1888). Elas disputam a preferência com os picolés de inspiração mexicana da Los Mexicanos Paleteria (R. Dona Matilde, 590).

No fim de tarde e à noite, as mesinhas na calçada do Chopp do Alemão (R. Dr. José Paulo, 103) atraem o público a fim de papear bebendo chope e petiscando porções de botequim, como provolone à milanesa.

Compras

Ao alcance de uma breve caminhada para muitos moradores, as lojinhas ao redor da Praça da Toco são típicas de comércio de bairro. Uma delas é a quitanda do português Henrique Francisco da Costa, desde 1968 no número 380 da Rua Dona Matilde. No Pomar Feira Limpa (R. José Mascarenhas, 1262), depois de comprar frutas, verduras e legumes, a pedida é o pastel e o caldo de cana.

No número 5555 da Avenida Aricanduva funciona o Centro Comercial Aricanduva. O impressionante complexo comercial reúne o Shopping Leste, o Auto Shopping (especializado em carros, motos e acessórios) e o Interlar Aricanduva (móveis e decoração). Praças de alimentação, supermercados, salas de cinema e até uma unidade do Detran completam o portfólio de lojas e serviços.

Passeios e atividades ao ar livre

A paisagem vem se transformando, mas por dentro o bairro ainda lembra uma cidadezinha do interior. Por volta das nove horas da manhã, velhos moradores começam a chegar cartas e dominó na Praça do Toco. Uma caminhada revela ruas tranquilas, casas e prédios antigos e mais ou menos conservados. Há os sobrados com bastante quintal, o Colégio São José, erguido na década de 30, a igreja mais importante (Paróquia Nossa Senhora do Belo Ramo, no topo de um morro) e a mais antiga (Capela Nossa Senhora de Lourdes). Dos pontos mais altos, aliás, dá para contemplar o horizonte.

Veja também: às margens do córrego Gamelinha, ao longo da Avenida Doutor Bernardino Brito Fonseca de Carvalho, a pista de corrida e caminhada e os aparelhos de ginástica compõem uma espécie de academia ao ar livre. A ciclovia inaugurada em 2008 na Radial Leste percorre um trecho de 12 quilômetros que vai do Tatuapé à Itaquera e tange a Vila Matilde praticamente na metade do caminho.

Espaços culturais e de lazer

Um lugar diretamente ligado ao desenvolvimento e à história do bairro, a Escola de Samba Nenê de Vila Matilde promove shows pontuais e ensaios abertos. Fundado em 1949 pelo mineiro Alberto Alves da Silva, o Seu Nenê (1921-2010), o grêmio tem 11 títulos do carnaval paulistano e foi o primeiro a vencer um desfile oficial na cidade. No Centro Comercial Aricanduva, há 16 pistas de boliche, fliperama e 14 salas de cinema. Às terças e quintas, a partir das 19h, tem roda de samba em uma das praças de alimentação.

 

Tudo o que sabemos sobre:
bairrosspvila matildeo que fazer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.