DANIEL TEIXEIRA/AE
DANIEL TEIXEIRA/AE

O que fazer na Vila Guilherme

Parque da Juventude e Parque do Trote disputam a preferência dos moradores nos passeios ao ar livre

O Estado de S. Paulo

09 Novembro 2015 | 16h12

Bairro da zona norte de São Paulo, a Vila Guilherme surgiu de um loteamento de terras no início do século XX. A área que ia do Rio Tietê até a estrada da Bela Vista tinha 115 alqueires e pertencia a Guilherme Praun da Silva, um comerciante fluminense.  Ele dividiu a porção de terras em chácaras e sítios, que foram vendidos principalmente a imigrantes portugueses, a partir de 1912, data de fundação da Vila. Assim como a vizinha Vila Maria, o bairro tem história atrelada à presença dos portugueses na região. Eles imprimiram muitas de suas características e costumes ao local. Um exemplo é a Sociedade Paulista do Trote. Antes mesmo de sua fundação, em 1944, as corridas de charretes puxadas por cavalos e conduzidas por jóqueis já eram uma característica da região.

Atualmente, a região concentra um grande número de empresas transportadoras e exibe uma certa dupla personalidade: de um lado, tem um jeitão pacato e interiorano que pauta as ruas residenciais, arborizadas e aonde ainda é possível ir para ouvir o canto dos pássaros. De outro, é barulhenta e movimentada, rasgada por grandes avenidas e corredores que levam a importantes rodovias. É atendida pela Linha 1-Azul do Metrô, com três estações próximas: Portuguesa/Tietê, Carandiru e Santana. A região é de fácil acesso pela Marginal Tietê e pela Ponte Cruzeiro do Sul. Ciclovias também passam pelas proximidades, como a da Ponte da Vila Guilherme, com um quilômetro de extensão, e a Ciclovia Zaki Narchi, que liga a Avenida Cruzeiro do Sul ao Corredor Norte-Sul, na Avenida General Ataliba Leonel.

A Vila Guilherme também divide com o bairro vizinho de Santana a paternidade de um dos maiores terminais rodoviários do país: o Terminal Tietê. Inaugurado em 1982 com quase noventa plataformas, passam pelo local todos os dias cerca de 90 mil pessoas. O terminal atende 300 linhas de ônibus que percorrem os mais variados destinos. São rotas que cruzam 21 estados brasileiros e cinco países da América do Sul: Uruguai, Paraguai, Chile, Peru e Argentina.

Comes e Bebes

Bondbico (Av.General Ataliba Leonel, 2493): dedicado ao frango, oferece para começar porções de coração na brasa, galeto à passarinho, coxa e asa empanadas e até de codorna. Além do frango assado desossado, fazem sucesso também cortes tradicionais de boi e porco, como maminha, picanha e costelinha.

Churrascaria Villa's (Av. Guilherme, 33): no rodízio desfilam cortes de picanha, costela premium e paleta de cordeiro, além de carne de rã, jacaré e javali. Tem bar e adega.

O Compadre (R. Otto Baumgart, 500): fica no Shopping Lar Center e se dedica a resgatar o típico sabor da roça, com comida caipira feita a partir de receitas mineiras. São trinta tipos de salada e outros trinta pratos quentes, entre feijão tropeiro, arroz carreteiro, carne-seca sertaneja, camarão na moranga, bobó de camarão, moqueca capixaba e suflê de macaxeira. Muitas verduras vêm da própria horta do sítio do Compadre, que fica em Nazaré Paulista.

Hotness Hamburgueria (R. Maria Cândida, 1879): a Hotness Hamburgueria tem um ambiente espaçoso, distribuído por quatro andares e dividido em seis espaços com nomes de capitais, como Lisboa, Paris e São Paulo. No cardápio, além dos sanduíches feitos com discos de carne de produção própria, há pratos de comida, vinhos e sobremesas.

Shinjiro Sushi Bar (R. Do Imperador, 1262 - Vila Paiva): oferece especialidades orientais e adaptações populares entre os brasileiros, como yakissoba, temakis, salmão grelhado com legumes e shimeji na manteiga. Funciona em sistema de rodízio e à la carte.

O Pescador Bar e Restaurante (Av. Zaki Narchi, 1464): o tradicional bar da zona norte é referência em frutos do mar, apresentado em porções, petiscos e pratos mais substanciosos. Fazem sucesso as massas acompanhadas de pescados, além de estrogonofe de camarão, bacalhau à gomes de sá e salmão aos quatro queijos.

Compras

Uma ampla rede de serviços, com agências bancárias, lotéricas, supermercados e concessionárias se espalha pela Avenida Joaquim Ramalho e a Rua dos Machados, logo depois da Ponte da Vila Guilherme, mas é o Shopping Center Norte (Travessa Casalbuono, 120) que detém o posto de principal complexo de consumo da região. São 320 lojas de diversos segmentos, além de bares, quiosques de comidinhas e restaurantes. Em frente, fica o Lar Center (Av. Otto Baumgart, 500) o primeiro shopping temático de reforma, decoração e design de São Paulo, com mais de cem pontos de venda e serviços.

Passeios e programas ao ar livre

O Shopping Center Norte também acaba se destacando com as ofertas de lazer, a exemplo de cinema com sessões 3D, pistas de boliche modernas para crianças e adultos e um parque de jogos eletrônicos (Playland). Com uma levada mais afastada do consumo, o Clube Escola Vila Guilherme (Av. Guilherme, 1819) oferece atividades gratuitas para toda população. São aulas tai chi chuan, kung fu e dança para todas as idades.

Ao ar livre, as famílias gostam de explorar o Parque da Juventude (Av. Cruzeiro do Sul, 2630). Transformado em área verde depois da demolição da Casa de Detenção de São Paulo, o espaço inclui dez quadras poliesportivas, pista de skate, alamedas, jardins, bosques, árvores ornamentais e frutíferas. As antigas passarelas de vigia da muralha do presídio foram preservadas. Outra sugestão é o Parque do Trote, instalado no lugar da Sociedade Paulista do Trote (R. Nadir Dias de Figueiredo, s/n). É um espaço de 187 mil metros quadrados, com parquinho infantil, pista de corrida, ciclovia, quadra e churrasqueiras. Está preparado para receber portadores de necessidades especiais.

Mais conteúdo sobre:
bairrossp Vila Guilherme o que fazer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.