Ivan Dias/Estadão
Ivan Dias/Estadão

O que fazer na Casa Verde e no Limão

Bairros vizinhos têm o samba correndo nas veias de seus moradores

O Estado de S. Paulo

29 de setembro de 2015 | 17h03

Os bairros e distritos da Casa Verde e do Limão são vizinhos e têm origens parecidas: os dois surgiram de chácaras loteadas entre os séculos XVIII e XIX. Ambos abrigam importantes escolas de samba da cidade, um capítulo de destaque no perfil cultural da região (Rosas de Ouro, Unidos do Peruche, Império da Casa Verde, Mocidade Alegre e Morro da Casa Verde). Além disso, o Centro de Tradições Nordestinas contribui para a vocação musical, promovendo shows de artistas populares. 

Para chegar, uma referência é o terminal Barra Funda, que opera com trem, metrô e ônibus e de onde saem conduções em direção às ruas e avenidas do pedaço.

Somando todas as vilas, jardins e bairros dentro de seus limites, vivem na Casa Verde e no Limão mais de 300 mil pessoas com endereços ligados a dezenas de localidades, como o jardins das Graças, São Domingos e o nobre São Bento. Elas moram realtivamente perto da sede do jornal O Estado de S. Paulo, do Campo de Marte e, atravessando os limites a caminho do arborizado Carandiru, e de Santana, podem aproveitar as estações de lazer do Parque da Juventude, do Parque São Domingos e do Sesc Santana. 

Comes e bebes

Padarias: fundada em 1984, A Lareira (Av. Deputado Emílio Carlos, 718, Limão) é uma das padarias mais tradicionais da região e fica aberta por 24 horas, sempre cheia de fregueses atrás de pães, pizzas, sanduíches e doces, sempre fresquinhos. Alternativa menos concorrida, a A Estalagem II foi inaugurada em 2012, na mesma rua (Av. Deputado Emílio Carlos, 380, Limão). Entre os itens mais pedidos estão os lanches com nomes que homenageiam o bairro. Possui estacionamento grátis. Na Casa Verde, o destaque é a Nova Baruel (Av. Baruel, 400). Tem pratos rápidos, pizzas, bolos e salgados.

Pizza, pastel e lanche: a Piazza Zini (Rua Francisco Rodrigues Nunes, 131, Limão) trabalha com pizzas e massas cantineiras, tudo de fabricação própria e servido em um salão acolhedor, sem firulas. Representante dos melhores pasteis da cidade, o Pastel da Maria (R. Valdemar Martins, 204, Casa Verde), tem um endereço fixo no bairro. Algumas redes populares também marcam presença, caso da Pizza Hut, no número 62 da Avenida Professor Celestino Bourroul, no Limão. À parte dos fast-foods mais manjados, o Boog Burguer (Av. Eng. Caetano Álvares, 1500, Limão) tem porções, como as de palitinho de mussarela empanada e onion ring, além de  hambúrgueres vários, desde o cheese-salada. Também monta pratos rápidos e uma variedade de outros lanches, a exemplo do que é feito no pão ciabata com queijo e tiras bacon.

Bares: a Avenida Engenheiro Caetano Álvares reúne vários exemplares, a maioria deles na região do Mandaqui. São disputadíssimos os lugares no notório Bar do Luiz Fernandes (R. Augusto Tolle, 610; mais a cervejaria na Av. Engenheiro Caetano Álvares, 5470). As cervejas em garrafa e as caipirinhas escoltam os prestigiados petiscos, variações muitas de bolinhos (de alheira, de carne, de bacalhau, de massa de polenta com rabada...). Também dá para recorrer ao balcão de acepipes. No Limão, quem procura um lugar animado fica com o sertanejo do Santa Villa (Av. Engenheiro Caetano Álvares, 1177). No Quioscão Bar (Av. Engenheiro Caetano Álvares, 146), a recomendação é a picanha na pedra. O Bar do Plínio (R. Bernardino Fanganiello, 458) é especialista em frutos do mar e participou do concurso Comida di Buteco 2013 com o gostoso "atrevida" (lula recheada de bobó de camarão, com mandioca). A porção de porquinho frito acompanha muito bem a cerveja gelada. 

Passeios culturais

Centro Cultural da Juventude (Av. Deputado Emílio Carlos, 3641): é um dos principais espaços de lazer da Casa Verde e do Limão. Foi inaugurado em 2006, tem 8 000 metros quadrados e espaços para oficinas, ilhas de edição de áudio e vídeo e ateliê de artes plásticas. Ingresso grátis.

Centro de Tradições Nordestinas (R. Jacofer, 615): a ideia é trazer um pedaço do nordeste para capital paulista. Funcionando desde a década de 1990, tem lugar de shows, restaurantes, parque de diversão, igreja e lojas de artesanato.

Praça do Centenário: palco das festas de aniversário da Casa Verde, é uma pequena área arborizada com parquinho para crianças. No período eleitoral, costuma reunir comícios de candidatos da região. 

Sitio Morrinhos (R. Santo Anselmo, 102): a inscrição em sua porta sugere que o local foi construído no início do século XVIII, provavelmente em 1702. Com arquitetura tipicamente bandeirista, é sede do Centro de Arqueologia de São Paulo, que funciona no prédio histórico desde 2009.

Veja também: os ensaios das escolas da Casa Verde e do Limão para o Carnaval 2016:

Rosas de Ouro (R. Rosas de Ouro, s/nº): a escola entra na avenida na sexta de Carnaval, com o tema "Eu vou tatuar no meu coração, pra vida inteira és meu amor eterno como o tempo...roseira", que falando sobre tatuagens. Os ensaios começam no dia 9 de outubro, a partir das 22h, sempre às sextas. A entrada para não-sócios custa R$ 20,00. Será a quarta escola a desfilar.

Unidos do Peruche (R. Samaritá, 1040): abre a segunda noite do grupo especial, em 6 de fevereiro, com o desfile "Ponha um pouco de amor numa cadência e vai ver que ninguém no mundo vence a beleza que tem o samba… 100 anos de samba, minha vida, minha raiz". Ensaios aos domingos, às 18h. Quem não é sócio paga R$ 5,00.

Império da Casa Verde (Av. Engenheiro Caetano Álvares, 2042): a escola de samba será a segunda a desfilar na segunda noite do Carnaval paulistano, no dia 6 de fevereiro de 2016. O enredo da escola será "Império dos Mistérios". Por enquanto, os ensaios ocorrem às terças e quintas, às 20h30.

Mocidade Alegre (R. Samaritá, 1020): a quarta escola do grupo especial a entrar na avenida no dia 6 de fevereiro terá como tema "Ayo - a alma ancestral do samba". Ayo significa algo como "alegria" e "prazer", na língua iorubá. Os ensaios têm vez aos domingos, às 18h, e por enquanto, têm recebido baterias de outras escolas de samba. Pagam-se R$ 5,00 para entrar (não-sócios).

Morro da Casa Verde (R. Ernâni Salomão Rosas Ribeiro, 137): na tentativa de voltar ao grupo especial, a tradicional escola do bairro usará em 2016 o enredo "Mvemba-a-Nzinga, Dom Afonso I - um rei cristão no império africano do Congo". Ensaia às terças (20h). O desfile é no domingo de Carnaval (dia 7 de fevereiro de 2016). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.