Divulgação
Divulgação

O que fazer em Pirituba

Distrito mescla um cenário interiorano com o subúrbio típico de uma metrópole

O Estado de S. Paulo

31 de agosto de 2015 | 18h02

Distrito da zona norte de São Paulo, Pirituba tem sua origem ligada à divisão de grandes propriedades de café do século XIX e XX. O bairro sofreu forte influência de imigrantes, principalmente ingleses que vieram trabalhar na construção do terminal Pirituba, na época pertencente à estrada de ferro São Paulo Railway. Russos, italianos e holandeses também contribuíram para o desenvolvimento do distrito que tem hoje mais de 160 000 habitantes.

Pirituba “mescla um cenário interiorano com o subúrbio típico de uma metrópole. Na parte mais baixa do bairro estão loteamentos de alto padrão (...). Já no alto estão os conjuntos habitacionais da Cohab e algumas favelas. O lazer para os mais jovens se resume a meia dúzia de campos de futebol de terra”. (Para ler o raio-X completo de Pirituba no Acervo Estadão, clique aqui).

No transporte público, a região é atendida pelas linhas que chegam ao terminal de ônibus Pirituba e pela linha 7 (rubi) de trens da CPTM. Partindo da estação Pinheiros, por exemplo, é descer na Luz e trocar o metrô pelo trem, desembarcando na quinta parada.  

A seguir, saiba a quais pizzarias recorrem os moradores nas noites de sábado e domingo. E veja também alguns pontos históricos do bairro.

Comes e Bebes

Além das mais de quarenta sugestões do Tietê Plaza Shopping, os moradores costumam recorrer às pizzas da Zucchinni (R. Maria Lucia Duarte, 45), que também tem unidades na Vila Leopoldina, em Peri-Peri e no Parque São Domingos, da Una's (Av. Cristo Rei, 139) e da Tucana (Av. Mutinga, 1507). Especialidades nordestinas à la carte são o mote do Feijão de Corda Pirituba (Av. Mutinga, 2820), a exemplo de carne-de-sol na manteiga com mandioca, receitas à base de cabrito, mocotó com fava, feijão-tropeiro e baião-de-dois. A Sodiê, maior franquia especializada em bolos artesanais do país, tem uma unidade no número 1803 da avenida Mutinga. São mais de oitenta sabores, com variações sem açúcar e sem lactose. Mas ir a Pirituba e não provar o hambúrger da tradicional Garrafão Lanches (Av. Raimundo P. de Magalhães, 4394) é um pecado. Os irmãos Adenir e Vanderlei abriram a lanchonete há mais de 40 anos e garantem que o melhor hambúrger de São Paulo está por lá. Vale a pena conferir o Especial da Casa e o famoso lanche 'Ronaldo', com hambúrger de 300 gramas.

Compras

Avenida Mutinga: concentra boa parte do comércio e serviços, como restaurantes, docerias, lanchonetes, cafés, lojas de roupa, bancos, farmácias, borracharias, hipermercados e casas de materiais para construção. Ficam lá, por exemplo, a Pimenta Rosa (Av. Mutinga, 1239), de moda feminina, e a Monte Alegre (Av. Mutinga, 1582), para quem vai construir ou reformar.

Shoppings: os principais são o Shopping Center Pirituba (Av. Benedito Andrade, 71), que existe onde antes funcionava o Lanifício Pirituba, e o Tietê Plaza Shopping (Av. Raimundo Pereira de Magalhães, 1465).

Passeios

Parque Cidade de Toronto (Av. Cardeal Motta, s/n): junto à rodovia dos Bandeirantes, é resultado de uma parceria com a prefeitura de Toronto, no Canadá. Tem quase 110 000 metros quadrados de muita área verde (bosque, lago e brejos), quiosques e churrasqueiras, lugares para correr e fazer ginástica e parquinho infantil.

Pico do Jaraguá: é o ponto mais alto da capital paulista, de onde se tem uma vista panorâmica da cidade. Faz parte do Parque Estadual do Jaraguá, criado em 1961, e é alcançado de carro ou por caminhada.

Parque Jacinto Alberto (R. Talófitos, 16): inaugurando em 2007, tem pistas de caminhada, quadra de futebol, tênis e playground. Segundo informações da Prefeitura, o parque apresenta vegetação composta por grupos de amoreira, ipê-amarelo, jerivá, leucena, mirindiba-rosa e resedá.

Clube Escola Pirituba (Av. Agenor Couto de Magalhães, 32): o C.E.E. Geraldo José de Almeida oferece equipamentos públicos para exercícios físicos. O clube oferece ainda opções de lazer e recreação para os moradores, como ginástica para idosos e aulas de natação, futsal e judô.

Prédios históricos

Centro de Atenção Integrada em Saúde Mental Philippe Pinel (Av. Raimundo Pereira de Magalhães, 5214): quando surgiu, em 1929, o então Sanatório Pinel (clique para ver um anúncio publicado no Estadão em 1932) era um hospital psiquiátrico destinado a famílias de alto poder aquisitivo. Foi construído na antiga fazenda Anastácio, que pertenceu à Marquesa de Santos. Fica em frente ao terminal Pirituba e agora é administrado pela secretaria estadual de saúde.

Casarão do Anastácio (Marginal Tietê com rodovia Anhanguera):  tombada pelo Conselho Municipal de Proteção ao Patrimônio (Conpresp), trata-se de uma construção de estilo hispânico erguida nos anos 1920 no lugar de uma casa de taipa que pertenceu à Marquesa de Santos. É considerado ponto de origem do distrito de Pirituba e do bairro vizinho de São Domingos.

Castelinho de Pirituba (R. Maestro Artur de Angelis, s/nº): conhecido como “Castelinho dos Ingleses”, data da década de 30 e serviu de morada para ingleses que trabalhavam na São Paulo Railway. Hoje funciona como salão de festas em um condomínio fechado.

Casa de Nassau (Av. Raimundo Pereira de Magalhães, 4123): também é alugado para festas, mas durante anos funcionou ali a Sociedade Holandesa de São Paulo. Tem um jardim de árvores centenárias e ainda conserva parte das características originais a mansão erguida em 1929 e que abrigou a família do inglês Aleck Wellington, presidente da São Paulo Railway. Durante muitos anos, desde a década de 50, foi centro de referência da comunidade holandesa em São Paulo.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
bairrossppiritubao que fazer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.