O que dizem os candidatos a presidente

DILMA ROUSSEF

, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2010 | 00h00

PT

Continuidade e mais investimento no PAC

Nas metrópoles brasileiras reside hoje um dos grandes desafios para consolidar nosso projeto de desenvolvimento com inclusão social. Polos dinâmicos do desenvolvimento econômico, elas demandam investimentos em infraestrutura urbana e de moradia, principalmente para a parcela mais pobre da população. Os serviços de transporte requerem expansão e melhoria e a questão da mobilidade urbana exige planejamento continuado. A qualidade do ar e dos mananciais deve ser tema central das políticas públicas. E, nas metrópoles, esses desafios afetam de forma interligada vários municípios. Para enfrentá-los, é necessário estabelecer um mecanismo eficiente de articulação, que propicie a implementação do planejamento e da gestão urbana. Vamos dar continuidade e ampliar os investimentos em infraestrutura social iniciados no PAC para melhorar a qualidade de vida da população, em especial nos grandes aglomerados urbanos.

JOSÉ SERRA

PSDB

Construir um novo modelo de gestão

As oportunidades de emprego e de renda, o lazer, os serviços e a capacidade de inovação e de conexão de mercados necessários à vida atual estão concentrados nas metrópoles. Mas grandes conurbações se instalaram no País desordenadamente, sem infraestrutura, planejamento e serviços. A lista de problemas resultantes é imensa: degradação dos centros urbanos e da saúde, poluição e riscos. A chave da questão é construir um novo modelo de gestão. As diversas esferas da administração pública devem trabalhar em parceria, com metas predefinidas. A Lei de Consórcios já permite que os municípios trabalhem coordenadamente. A União tem aí papel fundamental, na medida em que os recursos que aloca podem ser direcionados e mesmo condicionados a projetos que criem soluções para as metrópoles. Cabe à União, atuando em entendimento com os Estados, dar incentivo explícito para que planejem e ajam integradamente.

MARINA SILVA

PV

Desenvolvimento e qualidade de vida

Atualmente, temos 14 cidades com mais de 1 milhão de habitantes no Brasil. Nas metrópoles, temos grande parte dos problemas (trânsito, violência, poluição, precariedade urbana, falta de moradia), mas também muitas oportunidades (empregos, diversidade cultural, inovação). A questão urbana deve ser encarada como estratégica para o Brasil a curto, médio e longo prazos. Só assim será possível superar déficits de saneamento e habitação, aumentar a eficiência na gestão das cidades e garantir recursos para municípios financiarem seu desenvolvimento urbano. O governo federal tem importante papel de induzir políticas e ações que integrem e articulem promoção do desenvolvimento humano e qualidade de vida. Em nosso programa de diretrizes de governo - disponível em www.minhamarina.org.br -, a gestão urbana é tratada com prioridade e tem entre os valores centrais garantia de mobilidade e direito à cidade para todos os habitantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.