O poeta e o estilo

Todas as meninas estão andando de boina caída na cabeça, e estão cada vez mais irresistíveis.

Humberto Werneck, O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2011 | 00h00

Quem disse isto? Não, não foi um colunista de moda - foi um poeta. Deve ter sido, então, um menestrel meio lascivo e mundano, alguém como Vinicius de Moraes, que já passado dos 60 ousava batas e macacões juvenis.

Nada disso. A observação é de Carlos Drummond de Andrade - sim, ele mesmo, aquele homem discreto que dava a impressão de ter atravessado todos os seus 84 anos de vida metido em inexpressivos paletós.

Houve um momento, é verdade, aos 20 anos, em que o chamaram de dândi num jornal de Belo Horizonte. E outro, aos 40, em que, numa visita à capital de Minas, fez cair o queixo de um grupo de jovens aspirantes à literatura. "CDA não se lembra mais de seus alinhadíssimos sapatos de camurça", escreverá muito mais tarde um deles, Paulo Mendes Campos, "mas nós, os mineirinhos da época, salvamos do olvido a elegância sóbria do escritor".

Foram raras, porém, as licenças indumentárias na vida de nosso maior poeta, o mais das vezes rendido à sisudez do guarda-roupa dos machos de seu tempo, sem nada na figura física que chamasse atenção - a não ser, quem sabe, a rigidez corporal cristalizada no colégio de padres. Quem conviveu com ele há de se lembrar da figura travada que em rapaz lhe valia gozações quando passava em frente a uma república de estudantes: "Abana o braço, moço!"

Os íntimos falavam de um Drummond bem diverso, um Drummond chapliniano que aos 80 anos ainda se permitia uma cambalhota no soalho da sala para divertir uma criança. A filha, Maria Julieta, evocou um pai brincalhão que em sua companhia gostava de perambular catatonicamente pela casa a murmurar palavras desconexas, para desespero da mulher, Dolores. E que mais adiante fascinava os netos com a "mágica" de tirar os dentes, aquelas "dentaduras duplas" cuja chegada lamentou num poema célebre.

Para vestir-se, contudo, já se disse que ele era bem convencional - daí o pasmo de alguns quando Ronaldo Fraga foi buscar inspiração em Drummond para criar, em 2005, uma de suas mais festejadas coleções, Moda, roupa e tempo. Na semana passada, entrevistado no Roda Viva, ele não hesitou em pespegar no poeta o rótulo "estilista".

Ora, tem tudo a ver - basta atentar ao que mais importa, à poesia altíssima que Drummond destilou em verso e prosa e que, mesmo quando o poeta olha para dentro de si, reflete obsessivamente o mundo em torno. Sua matéria, deixou claro no poema Mãos dadas, era "o tempo presente, os homens presentes, a vida presente". Em sua proverbial caramujice, ele era um homem antenado. "A pessoa mais bem informada do mundo", disse a escritora Marina Colasanti do senhor às vésperas de completar 75 anos. "Deve estar sabendo o que se vai usar neste verão."

Certamente sabia - e já era assim na juventude, quando, assinando-se Antônio Crispim ou Barba Azul, comentava em crônicas a moda solta nas ruas de Belo Horizonte entre 1930 e 1934, ano de sua mudança para o Rio. (Deliciosos textos, aliás, que por alguma absurda razão ainda não mereceram dos herdeiros mais que um livro editado pelo governo mineiro para circulação fora do comércio e esgotadíssimo há mais de 20 anos). Nada lhe escapava. A tal boina, por exemplo, capaz de "virar o juízo do bicho-homem, o mais ridículo e o menos feliz dos bichos", e que mereceu dele esta avaliação: "Se empresta a todas as moças um ar de colegial, é porque as torna mais moças ainda, e portanto não há gorro melhor do que esse." Não lhe escapou tampouco o revolucionário chapéu jonny-cap, "grave ou ingênuo, correto ou amolecado, misterioso ou simples", igualmente capaz de fazer a rapaziada perder a cabeça.

Um dia reparou que as pernas femininas estavam menos à mostra, mas que essa não era, felizmente, a única tendência da temporada: "O diabo da moda tira em uma extremidade o que acrescenta na outra, e eu estou vendo decotes que anulam a ação pacificadora das pontas compridas dos vestidos."

Impaciente, deplorou o atraso de seis meses com que as novidades desembarcavam na provinciana capital de Minas - e sugeriu: "Poderemos atrasar doze meses exatos, e então a moda belo-horizontina deste ano ficará perfeitamente sincronizada com a moda carioca do ano passado."

Já bem maduro, tinha olhos postos na passarela da vida e concentrou numa frase décadas de sabedoria: "A moda é passageira, como as pessoas, mas ressuscita, e elas não."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.