O PM que recusou a propina

A guarnição do Batalhão de Choque que prendeu o chefe do tráfico na Favela da Rocinha, na zona sul do Rio, na madrugada de 10 de novembro, não se intimidou com as bravatas do falso cônsul do Congo e se negou a aceitar propina de R$ 20 mil para liberar o traficante Antônio Bonfim Lopes, o Nem. Comandados pelo tenente Disraeli Gomes Figueiredo e Silva, de 35 anos, 11 homens abordaram e cercaram o Corolla preto cujo porta-malas abrigava um dos criminosos mais procurados do País.

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

25 Dezembro 2011 | 03h02

A persistência melhorou a imagem da polícia, abalada no dia anterior com a vexatória prisão de policiais na escolta de traficantes. Todos os policiais continuam lotados no mesmo batalhão que ainda ocupa a favela. Os advogados que tentaram tirar Nem da favela foram presos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.